PSD quer auditoria ao período pós-resolução do BES

Segundo o deputado do PSD, António Leitão Amaro, o que é preciso auditar, “e que ainda não foi auditado” consiste no que aconteceu depois da resolução do BES, “como a venda do Novo Banco à Lone Star e o que aconteceu depois disso”, nomeadamente, “as imparidades”.

Cristina Bernardo

António Leitão Amaro, deputado PSD, revelou há minutos na Comissão de Orçamentos, Finanças e Organização Administrativa (COFMA), que vai propor à Assembleia da República uma auditoria “àquilo que ainda não foi auditado”, ou seja, o período após a resolução do Banco Espírito Santo.

“Já houve duas auditorias e há dias houve uma decisão de um tribunal sobre a resolução do BES”, esclareceu Leitão Amaro. Assim, seguindo as ideias do Presidente da República, o PSD vai propor uma auditoria diferente daquela que o Governo pediu depois de o presidente do Novo Banco, António Ramalho, ter dito que ia voltar a accionar o mecanismo de capital contingente, para injetar mais 1.149 milhões de euros no banco.

Segundo o deputado do PSD, o que é preciso auditar, “e que ainda não foi auditado” consiste no que aconteceu depois da resolução do BES, “como a venda [do Novo Banco à Lone Star] e o que aconteceu depois disso”, nomeadamente, “as imparidades”, explicou.

Contudo, Leitão Amaro não especificou quando é que o PSD vai propor ao Parlamento esta auditoria, tendo dito apenas que a proposta será feita “nos próximos dias”.

António Ramalho está esta tarde a ser ouvido pelos deputados na COFMA, a pedido dos sociais democratas, dando seguimento a uma série de audições onde foram ouvidos o ministro das Finanças, Mário Centeno; o presidente da Comissão de Acompanhamento da venda do Novo Banco à Lone Star e um membro desta Comissão, José Rodrigues de Jesus e Bracinha Vieira, respectivamente; e o presidente do Fundo de Resolução, Máximo dos Santos.

Relacionadas

António Ramalho: resolução do BES “não foi preparada totalmente”

“É uma resolução que tem o seu quê de premonitório e não foi preparada totalmente, não é uma decisão continuada”, considerou António Ramalho na Comissão de Orçamento e Finanças (COFMA), lembrando que foi uma decisão tomada no contexto de uma “potencial extraordinária corrida aos depósitos”.

Resolução do BES está a ser feita às prestações, diz presidente do Fundo de Resolução

“O que aconteceu em Portugal, é que o Fundo de Resolução foi criado em 2012, e em 2014, tinha apenas 337 milhões de euros”, salientou Máximo dos Santos. O Fundo de Resolução já pagou 466 milhões de euros em juros e comissões ao Estado, com as medidas de resolução, explicou Máximo dos Santos.
Recomendadas

Proposta sindical de aumentos salariais para a banca em 2019 nos 2,72%

No dia 16 de abril, o SNQTB, o SBN e o SIB enviaram a sua proposta negocial aos bancos que integram a mesa negocial da Associação Portuguesa de Bancos (APB).

CPI à Caixa: Lista de 12 a 15 novas audições é fechada hoje. Santos Ferreira e Faria de Oliveira já agendados

Nova fase de audições dá prioridade a antigos presidente da Caixa. Santos Ferreira, Faria de Oliveira e António de Sousa são as próximas personalidades a ser ouvidas, numa lista de novas audições que ficará hoje fechada e que contará com 12 a 15 personalidades entre político, clientes e antigos administradores. Ao nível de documentos, Parlamento insiste junto do Banco de Portugal  com relatório secreto sobre atuação do governador no caso BES.

Lesados do BES e Banif têm 30 dias para reclamar e poder vir a integrar solução

O trabalho dessas comissões nos próximos meses (150 dias corridos no caso do Banif e 120 dias no caso do BES) é avaliar se esses clientes (que têm de ser investidores não qualificados ou não profissionais) foram vítimas de práticas ilícitas na comercialização de instrumentos de dívida (obrigações, papel comercial, ações preferenciais).
Comentários