PSD quer diplomatas a melhorar a imagem de Portugal depois da decisão da Galiza

Depois das decisões tomadas pelo Reino Unido, Irlanda, Áustria e Galiza, o deputado Ricardo Baptista Leite defende que os diplomatas têm trabalho a fazer lá fora pois estas decisões estão a “destruir o setor do turismo com impactos brutais na economia”.

Ricardo Baptista Leite

O PSD quer que os diplomatas portugueses trabalhem para melhorar a imagem de Portugal lá fora depois de vários países terem classificado o país como de alto risco.

“O que é que o Ministério dos Negócios Estrangeiros anda a fazer? Estão a destruir o setor do turismo com impactos brutais na economia como um tudo”, começou por escrever Ricardo Baptista Leite nas redes sociais.

“Por favor ponham os nossos diplomatas no terreno e mudem a nossa imagem lá fora. Sentido de urgência!”, afirmou o deputado do PSD e médico de profissão.

O social-democrata reagiu assim à decisão das autoridades da Galiza anunciada esta terça-feira de considerarem que Portugal é um país de alto risco.

Isto significa que os viajantes que cheguem à Galiza com origem em Portugal têm 24 horas para comunicar os seus dados pessoais às autoridades de saúde, independentemente de residirem ou não nesta comunidade autónoma.

Depois de Inglaterra, Irlanda e Áustria, Portugal volta a ser colocado entre os países de risco, agora por uma comunidade autónoma fronteiriça, com uma forte ligação social e económica com Portugal.

Esta medida é válida para todos os “países e territórios cuja incidência acumulada de casos de Covid-19 por 100 mil habitantes nos últimos 14 dias é 3,5 vezes superior à registada na comunidade autónoma da Galiza” a 23 de julho.

Em reação, o Governo português disse que “está a obter, pelos canais diplomáticos pertinentes, todas as informações e esclarecimentos necessários sobre os fundamentos e alcance desta decisão, designadamente sobre as implicações práticas que acarreta no domínio das comunicações e trânsito entre Portugal e a Galiza”, disse o Ministério dos Negócios Estrangeiros às questões colocadas pelo Jornal Económico.

Os viajantes têm duas formas para dar os seus dados às autoridades de saúde: através do preenchimento deste formulário oficial ou através do telefone 881 00 20 21.

Espanha é o nono país a nível mundial com mais casos confirmados, 325.862 com 28.434 mortes, segundo o site Worldometers. Por milhão de habitantes, Espanha conta 6.969 casos, 608 mortes, e 135.187 testes realizados. Já a Galiza conta com 9.494 casos confirmados e um total de 619 mortes, de acordo com os dados compilados pela Google a partir de diversas fontes.

Por sua vez, Portugal surge na 43ª posição a nível mundial com 50.410 casos e 1.722 mortes e 13.062 casos ativos. Por milhão de habitantes, o país conta com 4.945 casos, com 169 mortes e com 153.213 testes realizados à população.

O ministério tutelado por Augusto Santos Silva avança que este assunto “será, naturalmente, abordado” na reunião, que já estava prevista, entre o embaixador de Portugal em Espanha, João Mira-Gomes, e o recém-eleito presidente da comunidade autónoma da Galiza Alberto Núñez Feijóo”.

O MNE também sublinha que “esta decisão, que é tomada ao nível regional, pela comunidade autónoma da Galiza, não implica restrições à mobilidade de pessoas entre Portugal e aquela região”.

Caso tenham alguns sintomas, o paciente será acompanhado pelas autoridades sanitárias locais. “A atenção que se considere necessária pelos profissionais do Serviço Galego de Saúde, não terá custo para as pessoas que a precisem, incluindo a realização de testes de diagnóstico ou, se se justificar, dos respetivos tratamentos”.

Os estabelecimentos de alojamento turístico estão obrigados a informar os seus clientes “desta medida, assim como os responsáveis de agências de viagem, operadores turísticos, companhias de transporte aéreo ou marítimo e outros agentes similares ao início do processo de venda dos bilhetes. As empresas também deverão fazê-lo, que desloquem os seus trabalhadores por motivos laborais”.

As autoridades de saúde da Galiza dizem que esta lista será atualizada no espaço máximo de 15 dias.

 

Covid-19. Galiza coloca Portugal entre os países de maior risco

 

Governo diz que está a “obter esclarecimentos” sobre decisão da Galiza de considerar Portugal um país de alto risco

Ler mais
Relacionadas

Governo diz que está a “obter esclarecimentos” sobre decisão da Galiza de considerar Portugal um país de alto risco

O ministério dos Negócios Estrangeiros diz que está a tentar apurar “todas as informações e esclarecimentos” sobre as “implicações práticas que acarreta no domínio das comunicações e trânsito entre Portugal e a Galiza”. O assunto vai ser abordado amanhã numa reunião, já prevista, entre o embaixador português em Espanha e o presidente da comunidade autónoma da Galiza.

Covid-19. Galiza coloca Portugal entre os países de maior risco

Todos os viajantes com origem em Portugal, mesmo que residam nesta comunidade autónoma, têm 24 horas para contactar as autoridades de saúde regionais que consideram Portugal como um “país com alta incidência epidemiológica”.
Recomendadas

Pedro Silva Pereira designado relator para acordo do Brexit

“A proposta de lei do Governo de Boris Johnson sobre o mercado interno britânico tem disposições unilaterais frontalmente contrárias ao protocolo para a Irlanda e a Irlanda do Norte. É uma violação grosseira do princípio da boa fé e do Direito internacional. Não podia ter outra resposta”, refere o eurodeputado socialista.

OE 2021: Aumento de 20 euros do salário mínimo em cima da mesa

Proposta do executivo de António Costa para o aumento do salário mínimo poderá ser de menos 15 euros do que foi no ano passado, uma medida que não agrada ao Bloco de Esquerda que pede um crescimento de 35 euros, nem ao PCP que sugere uma subida de 215 euros.

Horários flexíveis em Lisboa e Porto vão durar seis meses e podem ser alterados todas as semanas

As empresas com mais de 50 trabalhadores vão poder alterar os horários semanalmente, mas a diferença máxima na hora de entrada e saída só pode ser de uma hora. Limites máximos diários e semanais do horário de trabalho não podem ser ultrapassados, nem passar o horário diurno ou noturno e vice-versa.
Comentários