PremiumPSD quer Moçambique na agenda da presidência portuguesa da União

Questão da insurgência jiadista em Cabo Delgado está longe de ser apenas moçambicana e resposta tem de ser enquadrada de forma global. Além dos contactos bilaterais, Portugal acompanha-a no âmbito da União Europeia.

O PSD quer que a questão da insurgência jiadista na província moçambicana de Cabo Delgado seja uma das prioridades da agenda do Governo de António Costa no primeiro semestre de 2021, altura em que terá em mãos a presidência do Conselho da União Europeia , depois de substituir o governo alemão, disse ao Jornal Económico (JE) o deputado Nuno Carvalho, coordenador do grupo parlamentar do PSD na Comissão de Negócios Estrangeiros e Comunidades Portuguesas. Os sociais-democratas têm sido muito críticos da posição do Governo sobre a questão moçambicana – ou mais propriamente da falta dela, pelo que pretende instigar o Governo a dar resposta mais eficaz ao problema. Para isso, levará a cabo várias iniciativas, desde logo de âmbito parlamentar.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumSob pressão, Rui Rio leva PRR e temas económicos para campanha das autárquicas

Pressão do partido e até externa por parte das associações empresariais e de Marcelo, levalíder do PSD a apostar em oposição em matérias económicas já na campanha para as autárquicas. Esquerda remete para o pós-eleições as negociações para o OE.

PremiumMontepio e BNI retomam negociações para venda do Finibanco Angola

O Banco Montepio – que se prepara para apresentar uma redução dos prejuízos semestrais para cerca de 30 milhões, apurou o JE – poderá ficar com 9,9% do Finibanco Angola depois da venda ao BNI.

Premium“Não prevemos um agravamento significativo do malparado com o fim das moratórias”, refere CEO do Santander Totta

O Santander Totta apresentou resultados no semestre de 81,4 milhões, a recuarem 53%. CEO explica como irá subir a rentabilidade, que é de 3,5%.
Comentários