PremiumPSD quer Moçambique na agenda da presidência portuguesa da União

Questão da insurgência jiadista em Cabo Delgado está longe de ser apenas moçambicana e resposta tem de ser enquadrada de forma global. Além dos contactos bilaterais, Portugal acompanha-a no âmbito da União Europeia.

O PSD quer que a questão da insurgência jiadista na província moçambicana de Cabo Delgado seja uma das prioridades da agenda do Governo de António Costa no primeiro semestre de 2021, altura em que terá em mãos a presidência do Conselho da União Europeia , depois de substituir o governo alemão, disse ao Jornal Económico (JE) o deputado Nuno Carvalho, coordenador do grupo parlamentar do PSD na Comissão de Negócios Estrangeiros e Comunidades Portuguesas. Os sociais-democratas têm sido muito críticos da posição do Governo sobre a questão moçambicana – ou mais propriamente da falta dela, pelo que pretende instigar o Governo a dar resposta mais eficaz ao problema. Para isso, levará a cabo várias iniciativas, desde logo de âmbito parlamentar.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumEfeito Draghi favorável ao regresso da esquerda nas municipais italianas

A dois dias da segunda volta das eleições, a União Europeia respira de alívio: a sua velada (mas não muito) aposta no ex-governador do Banco Central Europeu retirou o país da lista das preocupações graves.

PremiumChega quer servir de ponte entre as famílias políticas mais à direita da União Europeia

Participação num comício do Vox em Madrid, ao lado de Abascal, não impede que a moção com que André Ventura se recandidata valorize pertença ao grupo de Salvini e Le Pen. Unificar área política é a meta.

PremiumJoana Gama: “Há sempre um lado muito emotivo nos meus projetos”

A pianista Joana Gama é uma fazedora por excelência. Entre o Prémio Jovens Músicos, que venceu em 2008 na categoria piano, e o doutoramento na Universidade de Évora, em 2017, desmultiplicou-se em projetos. Da música clássica à eletrónica, Joana Gama é uma mente aberta e curiosa. Luminosa, gosta de fazer acontecer. O Festival Hans Otte, que tem início a 23 de outubro, em Lisboa, é o resultado desta energia. Mas há muitos mais “filmes” a passar-lhe pela cabeça…
Comentários