PSD questiona Governo sobre fundo de recuperação

“Se recuperarmos as palavras do ministro da Economia, que referiu que fundo perdido hoje são os impostos de amanhã, diria que não pode haver maior contradição quando António Costa vai a Bruxelas pedir o fundo de recuperação para Portugal”, lembrou Nuno Miguel Carvalho, deputado do PSD.

Miguel A. Lopes / Lusa

O deputado do PSD, Nuno Miguel Carvalho, questionou o ministro do Planeamento Nelson de Souza sobre o fundo de recuperação proveniente da Europa, durante a reunião plenária que decorreu esta quinta-feira. “Quando vão cá chegar os apoios do Conselho Europeu? Vão chegar a tempo?”, questionou o deputado.

“Se recuperarmos as palavras do ministro da Economia, que referiu que fundo perdido hoje são os impostos de amanhã, diria que não pode haver maior contradição quando António Costa vai a Bruxelas pedir o fundo de recuperação para Portugal”, lembrou Nuno Miguel Carvalho.

“Precisamos que o fundo de recuperação vindo da Europa, que este dinheiro que temos para apoiar a nossa economia a fundo perdido, seja rápido e certo. A falta de liquidez hoje será um problema maior amanhã, fará com que, quando a economia abrir perspetivas aos exportadores, estes não tenham capacidade de abrir portas”, advertiu o deputado do PSD.

Nuno Miguel Carvalho referiu também os processos de licenciamento e afirmou que “se estes não forem efectivamente executados, os custos serão elevados para as empresas”.

 

Relacionadas

PSD propõe “prémio de desempenho” para profissionais do SNS no valor de 50% do salário mensal

A bancada do PSD sugere ainda uma compensação ao nível do gozo de férias como reconhecimento pelos “altos e relevantes serviços prestados a favor do bem comum”.
António Costa e Mário Centeno

António Costa segura Mário Centeno no Governo e reafirma “confiança pessoal e política”

Primeiro-ministro e ministro das Finanças estiveram reunidos num encontro de emergência esta noite em São Bento. Depois do agudizar da polémica em torno do Novo Banco, Mário Centeno mantém-se no cargo, com a “confiança pessoal e política” de António Costa. “Falha de informação atempada ao primeiro-ministro” sobre o Novo Banco ficou esclarecida.
Recomendadas

OE2022: Chega critica PCP e defende que é “o pior momento” para crise política

Ventura deixou um apelo “à responsabilidade de todos”, argumentando que “as pessoas estão um pouco fartas de crises políticas”. “Querem governar a sua vida, não querem que o Governo esteja sempre em sobressalto”, pelo que o Chega espera “que Bloco, PCP e PS se entendam”, frisou.

PS insiste que negociações do Orçamento do Estado para 2022 devem continuar na especialidade

José Luís Carneiro reforçou a intenção do PS em “apreciar as propostas” dos parceiros, mas com o propósito de “encontrar os pontos de equilíbrio e de bom senso”, na última das audiências que o Presidente da República manteve com os partidos nesta sexta-feira.

Catarina Martins sinaliza que “só não há um OE se o Governo não quiser”

A líder bloquista exemplificou algumas das áreas nas quais quer ver avanços no documento de OE, como o SNS ou as “longas carreiras contributivas”, esclarecendo ainda que “não se prende por questões formais”, pretendendo apenas “redações exatas das leis”.
Comentários