PSI-20 abre em terreno negativo com Galp Energia a tombar 2%

A bolsa portuguesa acompanha as congéneres europeias, que estão a cair cerca de 1%, pressionadas pelo aumento da tensão entre Pequim e Hong Kong e pela queda de 5% no preço do barril de petróleo.

O principal índice bolsista português (PSI 20) abriu sessão esta sexta-feira a negociar em terreno negativo, ao ceder 0,63% para 4.188,23 pontos. A bolsa portuguesa acompanha as congéneres europeias, que estão a cair cerca de 1%, pressionadas pelo aumento da tensão entre Pequim e Hong Kong e pela queda de 5% no preço do barril de petróleo.

“A motivar esta abertura negativa [nas praças europeias] estava a queda dos mercados chineses, especialmente a praça de Hong Kong. A decisão do Governo de Pequim de introduzir medidas de segurança mais restritas no território pode ter duas consequências negativas”, explicam os analistas do BPI Online.

“A primeira é provocar novas manifestações, como as vividas no ano passado. A segunda é que Hong Kong poderá constituir um tema de tensão entre os EUA e a China. O Governo de Pequim considera a situação neste território como um assunto estritamente doméstico interno e qualquer comentário ou intervenção de outro país como uma ingerência externa”, acrescentam.

O índice alemão DAX cede 1,41%, o britânico FTSE 100 perde 1,89%, o francês CAC 40 desvaloriza 1,46% o holandês AEX recua 1,39%, o espanhol IBEX35 tomba 1,17% e o italiano FTSE MIB afunda 0,97%.

Na bolsa nacional, onze cotadas estão a negociar no vermelho, cinco estão a valorizar e duas (Pharol e F.Ramada) mantêm-se inalteradas.

A pressionar o índice nacional destaca-se a Galp Energia, que perde 1,68%. Os títulos da empresa liderada por Carlos Gomes da Silva estão a ser pressionados, numa altura em que o mercado petrolífero negocia em queda: em Nova Iorque, o WTI afunda 6,69%, para 31,65 dólares; o Brent, negociado em Londres e que é referência para Portugal cai 5,49%, para 34,08 dólares.

A negociar no vermelho estão também o BCP (-1,63%), a Jerónimo Martins (-1,17%), a Sonae (-1,11%), a EDP (0,72%) e os CTT (0,49%).

Já do lado dos ganhos, destacam-se os títulos da Ibersol, que somam 3,68%. A Ibersol tem intrigado os investidores. Segundo os analistas do BPI Online, depois das quedas acentuadas (de 60%) entre finais de fevereiro e meados de maio, devido ao encerramento forçado das cadeias de fast food que gere em Portugal (como o Burger King, Pizza Hut e KFC), “a ação recuperou 63%, sendo que os maiores ganhos foram acumulados nas últimas duas sessões”.

“Adicionalmente, a média do volume negociado dos últimos dois dias é três vezes superior ao volume médio diário
registado este ano”, notam. No dia 18 de maio, os cafés e os restaurantes reabriram com limitações e, no próximo dia 1 de junho, reabrem os centros comerciais, “o que contribuirá para normalizar a atividade da Ibersol, embora num novo contexto de funcionamento”, acrescentam os analistas do BPI Online.

A negociar no verde estão também a Corticeira Amorim (0,65%), a NOS (0,12%), a REN (0,21%) e a Sonae Capital (1,52%).

Ler mais

Recomendadas

Portugal em 7º lugar no indicador global de literacia financeira, segundo a OCDE

Portugal, através do Ministério da Educação, participou pela primeira vez, em 2018, no exercício de avaliação de literacia financeira do Programme for International Student Assessment (PISA), cujos resultados foram divulgados no passado dia 7 de maio.

PSI-20 fecha em alta com subida de 6% da Mota Engil. Europa com ganhos acima de 2%

A bolsa portuguesa subiu abaixo dos seus pares europeus. No PSI-20 a Mota-Engil destaca-se pela subida de mais de 6%. Na Europa, a Lufthansa e a Bayer brilharam com subidas de mais de 7%. A Alemanha o destaque vai para a economia que foi arrastada pela queda no consumo privado do 1.º trimestre de 2020.

Guerra comercial não assusta os touros de Wall Street

Enquanto as palavras vão e vêm, o certo é que Wall Street valorizou mais de 3% nos últimos cinco dias.
Comentários