PSI 20 cresce acima de congéneres em agosto, mas prestação anual fica ainda abaixo da média europeia

Apesar da boa prestação em agosto, a bolsa nacional está ainda uns furos abaixo da média na Europa e nos EUA. Ainda assim, índices como o FTSE 100 ou o IBEX 35 apresentam uma variação anual mais baixa que a nacional.

O índice bolsista português conseguiu uma performance em agosto significativamente acima das principais praças europeias e americanas, mas ainda insuficiente para colocar o PSI 20 numa trajetória de valorização anual em linha com as suas congéneres. A bolsa nacional ganhou 7,8% no mês passado, o que contribuiu para que a sua variação anual se cifre agora nos 10,6%, destaca a análise da Maxyield.

Até final de julho, o índice lisboeta havia avançado 2,8% desde o início do ano, uma valorização bastante abaixo da verificada no STOXX 600, o índice pan-europeu, ou nas praças norte-americanas da NYSE. No entanto, os 7,8% de variação mensal de agosto contribuíram para aproximar a bolsa nacional das evoluções destas.

O STOXX 600 regista agora uma valorização de 17,9% este ano, enquanto o S&P 500 avançou 21,2% em 2021 e o Nasdaq 18,8%. De referir ainda que a evolução do PSI 20 este ano é mais positiva do que o verificado em Londres, com o FTSE 100 a avançar 10,2%, e em Madrid, onde o IBEX 35 subiu 9,6%.

Agosto marcou assim uma aceleração, depois do ligeiro crescimento de abril e maio, seguido de uma tendência negativa em junho e julho. Esta evolução recente do mercado nacional levou-o a superar o nível verificado aquando do crash bolsista de fevereiro passado, ou seja, os 5.387 pontos.

Olhando para os vários componentes do PSI 20, verifica-se que a variação mensal de agosto oscila entre 14,3% da NOS e -4,9% da Pharol. De resto, apenas três outras cotadas exibem variações negativas em agosto (Ramada, Ibersol e Novabase), enquanto do lado das subidas a EDP Renováveis, Sonae SGPS, Altri e Corticeira Amorim conseguiram avançar mais de 10%.

Analisando o ano de 2021 até ao final de agosto, 13 das 18 cotadas nacionais registaram uma valorização positiva, com os CTT a liderarem esta lista ao quase duplicarem de valor, conseguindo uma valorização de 96%. Novabase (43,3%), Sonae SGPS (39,4%), Semapa (33,3%), e Jerónimo Martins (29,9%) encerram o top-5.

Por outro lado, Pharol (-23,5%), a EDP (-9,8%), a EDP Renováveis (-1,2%), a Mota-Engil (-1,1%) e a Galp (-0,9%) foram os cinco títulos que perderam valor desde o início do ano.

Recomendadas

Wall Street arranca em baixa em sessão com tomada de mais-valias

A Tesla está em destaque na sequência de ter apresentado um lucro de 1,62 mil milhões de dólares no terceiro trimestre, negociando em contraciclo devido às contas positivas. As ações da empresa liderada por Elon Musk avançam 0,42% para 869,44 dólares.

Ações da Evergrande afundam 12% em bolsa depois de negócio falhado

A falha na concretização de ativos no valor de 2,2 milhões de euros caíram por terra esta quarta-feira, depois da Evergrande ter anunciado que o negócio foi interrompido porque “tinha motivos para acreditar” que o comprador “não cumpriu o pré-requisito” para fazer a oferta.

Credit Suisse e BlackRock lançam fundo que aposta na saúde e bem-estar

O Crédit Suisse e o BlackRock lançaram um Fundo de Private Equity de Impacto com enfoque na saúde e bem-estar e registaram-no também em Portugal. O Fundo de Saúde e Bem-Estar é um Fundo de Impacto, que é a última tendência dos fundos de investimento. São fundos que visam dar retorno ao acionista, mas também fazer o bem para a sociedade e meio ambiente.
Comentários