PSI 20 penalizado pelos prejuízos da Galp no arranque da sessão

O PSI 20 acompanha também a tendência das principais congéneres europeias, numa altura em que o número de infetados com o novo coronavírus continua a aumentar na Europa.

Stringer/Reuters

O principal índice bolsista português (PSI 20) arrancou esta segunda-feira a perder 0,84%, para os 4.104,53 pontos, em linha com as principais congéneres europeias.

A bolsa portuguesa é penalizada pelas quebras de doze empresas cotadas, com cinco a negociar em alta e uma sem variação. A Galp Energia é a principal responsável pela queda do PSI 20, tendo iniciado sessão a tombar 2,63%, para 7,93 euros.

A empresa energética apresentou, antes do início da sessão, um prejuízo de 23 milhões de euros no terceiro trimestre do ano, um valor que contrasta com os 101 milhões de lucros registados em período homólogo  de 2019. Ainda assim, o valor prejuízo registado representa uma recuperação face ao segundo trimestre do ano, em que o prejuízo foi de 52 milhões de euros. O resultado não está a agradar aos investidores.

Ainda no setor da energia, também a EDP Renováveis (-1,98%) e a EDP (-0,94%) negoceiam em terreno negativo esta manhã, a par do BCP (-1,81%)

A EDP Renováveis reduz 1,98% para os 15,84 euros, logo no encalço da Galp. Na lista segue-se o BCP, que alivia 1,81% para os 7,68 cêntimos. A os também perde mais de 1% – 1,14% para os 3,11 euros – e a EDP posiciona-se perto desta fasquia, ao cair 0,94% para os 4,34 euros.

O PSI 20 acompanha também a tendência das principais congéneres europeias, numa altura em que o número de infetados com o novo coronavírus continua a aumentar na Europa. Em Espanha, o governo já aplicou novas restrições e avançou para um novo estado de emergência, que durará até maio de 2021.

Ler mais

Recomendadas

Bolsa de Nova Iorque encerra sem tendência definida

A ‘speaker’ democrata da Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi, e o líder da minoria republicana, Chuck Schumer, defenderam o novo pacote de estímulos de 908 mil milhões de dólares.

“Regulação e supervisão estão hoje melhor preparados para enfrentar as dificuldades”, diz Gabriela Figueiredo Dias

Na lista de atividades apresentada na COF, a presidente da CMVM defendeu que a melhoria dos níveis de serviço da entidade de supervisão “também está a beneficiar as entidades supervisionadas, nomeadamente pela antecipação em cerca de 40% dos prazos previstos legalmente para autorizações e registos, ou reduções da mesma magnitude face a 2018 na aprovação de prospetos”.

“Mercados em Ação”: Assista ao programa desta semana

Acompanhe o “Mercados em Ação” no site e nas redes sociais do Jornal Económico. E reveja-o através da plataforma multimédia JE TV.
Comentários