“Publicidade enganosa”. Espanhóis criticam Capital do Natal em Algés

A neve “a sério” parece “lama”, o preço é demasiado elevado para esperar uma hora e meia nas “filas indetermináveis”. “Nem na Disneyland Paris se está tanto tempo com as crianças à espera”, são alguns dos comentários dos visitantes espanhóis à cidade Natal em Algés.

A Capital do Natal, instalada em Algés, está a ser alvo de críticas nas redes sociais de cidadãos espanhóis. Os promotores do maior evento do país dedicado ao Natal e do primeiro Christmas Fun Park da Europa prometiam uma Lapónia e neve “a sério” mas os espanhóis sentiram-se desiludidos com o que encontraram e classificaram o mesmo como uma “fraude.

Os visitantes do espaço pagam entre 22 euros (crianças até 12 anos) e 88 euros (2 adultos e 2 crianças), e os espanhóis estão a sentir-se enganados e vítimas de “publicidade enganosa”. O parque só começou a funcionar há quatro dias e os cidadãos do outro lado da fronteira já realizaram queixas à Unión de Consumidores de Extremadura (Deco espanhola), pediram reembolsos mas também começaram uma petição para encerrar o parque.

O Instituto de Consumo da Extremadura (INCOEX) já contactou com o ministério da Saúde e Consumo espanhol para “proceder de forma coordenada com as autoridades nacionais e a autoridade portuguesa”, perante as queixas de consumidores espanhóis, segundo o jornal espanhol Hoy.

O jornal ‘Público’ falou com algumas famílias portuguesas que admitiram que o espaço não era como os promotores nem as imagens o apresentavam, sendo que se sentiam desiludidos pelo dinheiro gasto. Ainda assim, a Deco Proteste diz que não chegou nenhuma reclamação sobre o caso.

A Deco espanhola admitia que durante a passada segunda-feira recebeu mais de 100 chamadas telefónicas com reclamações de cidadãos espanhóis, que moram na região da Extremadura e Andaluzia. Ao ‘Público’, fonte da Unión de Consumidores assumiu que já enviou uma reclamação por escrito à Christmas Fun Park, entendendo que existe “publicidade enganosa porque na publicidade que a empresa faz do evento constam serviços e instalações que o parque não tem”.

A todas aquellas personas que estén pensando en ir a capital do natal (Lisboa) les cuento mi experiencia.Llegamos súper…

Posted by Tamara Verisimo Pacheco on Sunday, 1 December 2019

 

Alguns visitantes portugueses no espaço levaram as críticas para as redes sociais e para a página de Facebook do evento, com alguns a afirmar que era “a maior desilusão de sempre”, não valendo “o dinheiro do bilhete de todo”. Também a utilização de animais no espaço tem sido criticado, com a existência de uma imagem em que surge uma rena amarrada e com os olhos vendados. “A exploração de renas no vosso recinto é vergonhosa!”, lê-se no comentário de outra utilizadora.

“Filas intermináveis, pavimento em péssimo estado, pista de gelo pequena, uma experiência muito má”, escreve um utilizador da rede social no Facebook do evento. “Má organização, mapa do parque que está no site não coincide com nada na realidade. Uma hora de fila de espera para ver uma árvore vazia. Variedade de comida muito fraca para uma capital do natal. Muito pobre e reles em decoração”, comenta outro visitante, acrescentando que “nem na Disneyland Paris se está tanto tempo com as crianças à espera”.

Uma utilizadora refere mesmo que a neve prometida não chega a ser a neve a “sério” anunciada é uma “massa branca”, que misturada com a areia do local dá a impressão de ser “lama”. Em comparação com o parque natalício do Parque Eduardo VII, a visitante assume que a roda gigante que prometia ser a maior da Europa, é mais pequena do que a que se encontra no parque central de Lisboa.

Ler mais
Recomendadas

PSP tem 52 elementos infetados com Covid-19

Direção Nacional da Polícia de Segurança Pública refere que regista, até ao momento, 52 profissionais infetados com covid-19, 46 dos quais são polícias e seis técnicos sem funções policiais.

Autoridade de Saúde dos Açores diz que são expectáveis novas cadeias de transmissão

Estão identificadas atualmente quatro cadeias de transmissão local nos Açores, uma na ilha Terceira, uma na ilha do Pico e duas na ilha de São Miguel, sendo que uma delas já passou de primária a secundária.

Equipa e moradores da Quinta do Lago angariam mais de 350 mil euros para hospitais

A campanha do resort algarvio foi realizada em conjunto com o ABC – Algarve Biomedical Centre. O valor servirá para a aquisição de ventiladores, uma máquina de TAC, monitores de ritmo cardíaco, máquinas de eletrocardiogramas, ‘kits’ para análises de sangue e equipamentos de proteção individual.
Comentários