Quadro roubado por nazis a judeus em 1933 descoberto em museu americano

“A família Mosse perdeu praticamente tudo porque era judia. Mas não perdeu a esperança”, comentou a advogada do processo, Antoinette Bacon, acrescentando que a restituição “não retira a dor infligida, mas representa pelo menos uma forma de justiça”.

Um quadro do século XIX roubado a uma família judia em 1933 foi descoberto num pequeno museu em Albany, Estado de Nova Iorque, nos Estados Unidos, e devolvido passados 87 anos, divulgou hoje a polícia local.

“Winter” (“Inverno”), título do quadro pintado pelo artista americano Gari Melchers, fazia parte de um conjunto de mais de mil peças de arte roubadas à abastada família Mosse, residente em Berlim, que cedo se tornou um alvo do partido nazi, na Alemanha.

Os herdeiros da família, que têm vindo a investigar o paradeiro das peças roubadas com o apoio das autoridades, no âmbito do projeto Mosse de restituição de arte, receberam o quadro durante uma cerimónia de repatriamento da peça que decorreu nas instalações da polícia em Albany.

“A família Mosse perdeu praticamente tudo porque era judia. Mas não perdeu a esperança”, comentou a advogada do processo, Antoinette Bacon, acrescentando que a restituição “não retira a dor infligida, mas representa pelo menos uma forma de justiça”.

Este projeto, iniciado em 2011, já localizou e restituiu aos herdeiros mais de 50 peças de arte roubada que se encontravam em museus públicos e privados, bem como nas mãos de privados na Alemanha, Suíça, Áustria, Israel e os Estados Unidos.

“Winter”, que representa dois jovens com patins para a neve, foi comprado em 1900 pelo editor magnata Rudolf Mosse, que o tinha exposto numa grande residência em Berlim, repleta de objetos de arte.

A pintura viria a ser vendida em leilão em maio de 1934 a um comprador anónimo, e, cinco meses depois, estava exposta numa galeria em Nova Iorque, onde foi comprada por Bartlett Arkell, um colecionador rico que o colocou num museu com o seu nome em Canajoharie, no norte do Estado de Nova Iorque.

Recomendadas

Jovens entre 18 e 20 anos podem candidatar-se a 60 mil passes de interrail gratuitos

Os candidatos que ganhem um bilhete podem viajar durante 30 dias, entre março de 2022 e fevereiro de 2023, sendo que por ainda se desconhecer a evolução da pandemia, as reservas são flexíveis.

Bruxelas acusa Biden de “falta de lealdade e transparência” e exige explicações do pacto entre EUA, Austrália e Reino Unido

Charles Michel e von der Leyen consideram que existem “muitas perguntas por responder” depois de Joe Biden ter anunciado uma aliança entre a Austrália e o Reino Unido, tendo desfeito um acordo prévio entre a Austrália e a França sobre compra de submarinos. “Um dos nossos Estados-membros foi tratado de forma inaceitável, por isso queremos saber o que aconteceu e porquê”, frisou a presidente da Comissão Europeia.

Marcelo na ONU: “Conselho de Segurança deve ter presença de África, Brasil e Índia”

É um dos temas mais difíceis no interior da UNO, mas o Presidente português não quis deixar de se lhe referir. A sua intervenção foi toda ela no sentido da defesa do multilateralismo como única arma global para os problemas, que são também globais.
Comentários