Quando as cabines telefónicas se transformam em cabines de leitura. Altice inaugura duas

Esta é mais uma iniciativa que se insere num vasto programa no âmbito da Responsabilidade Social protagonizado pela Altice Portugal que se situa em áreas fulcrais como as da cultura, educação, a música, o desporto, a língua portuguesa e a intervenção social.

A Altice Portugal, através da Fundação PT, inaugurou mais duas cabines de leitura, nascidas a partir de antigas cabines telefónicas, desta vez em Alcântara, Lisboa, e na Charneca da Caparica, Almada.

Esta inauguração integra no programa liderado pela Altice Portugal da Responsabilidade Social, que promove um movimento de valorização da leitura como direito humano e condição do livre exercício da cidadania cultural, informa o comunicado enviado às redações esta quarta feira.

Em ambos os momentos de inauguração foi enaltecido o valor do livro como ferramenta fundamental de apoio à literacia e ao sentido crítico que uma sociedade tecnológica e tão rica em informação exige.

Alexandre Fonseca, Presidente Executivo da Altice Portugal, afirma que ”foi com o princípio da educação e da igualdade de oportunidades que se deu início a este projeto, a um projeto que transforma cabines telefónicas em cabines de leitura. A promoção de hábitos de leitura por parte da sociedade é o verdadeiro objetivo deste mobiliário urbano que fica ao serviço da comunidade onde está inserida”.

Estas duas novas cabines de leitura, à semelhança das várias microbibliotecas já distribuídas um pouco por todo o país, incluindo Açores e Madeira, são dinamizadas pela Fundação PT, que reaproveita cabines telefónicas e, mediante parcerias com entidades autárquicas ou outras, assegura a sua adaptação, colocação e dinamização com o objetivo de estreitar laços comunitários, exercitar a cidadania e fomentar a leitura num espaço totalmente inesperado, com o mote: “Levar, doar, ler, devolver”.

Recomendadas

“A Empresa das Índias”

Observador atento das convulsões económicas, sociais e ambientais, Erik Orsenna descreve-nos aqui os oito anos de preparação da viagem sonhada por Cristóvão Colombo. Lisboa é o pano de fundo e o sonho é ‘tocado’ a quatro mãos com o seu irmão Bartolomeu. Aqui fica a sugestão de leitura desta semana da livraria Palavra de Viajante.

Amarante tem nova identidade visual

‘Natureza Criativa’. Assim se chama a nova identidade daquela que era até agora a ‘princesa do Tâmega’. Captar investimento e atrair turismo são duas das opções estratégicas.

Museu do Prado contribui com 745 milhões de euros anuais para a economia espanhola

O contributo económico total representa 16 vezes o orçamento do museu e 48 vezes o apoio financeiro que recebe do Estado, que, em 2018, foi de 15,3 milhões de euros.
Comentários