Quando chegará o primeiro carro-drone português? Dentro de 5 anos

Com o “Flow.me”, o CEiiA encerra um ciclo de trabalho de 10 anos, cruzando o setor automóvel, aeronáutica e sistemas inteligentes, e prepara-se para, em 2022, apresentar o primeiro carro-drone nacional, num projeto de integração de mobilidade horizontal e vertical.

O Flow.me é a mais recente proposta do Centro de Engenharia e Desenvolvimento de Produto (CEiiA) para a mobilidade do futuro e irá ser testado, numa primeira fase, em processos logísticos em zonas industriais para, no futuro, poder estar associado ao transporte de pessoas em serviços de sharing e on-demand nas cidades, e representa a ambição da engenharia portuguesa no futuro da mobilidade.

Este projeto conta com um investimento global estimado de 18 milhões de euros e está a ser desenvolvido por um consórcio liderado pelo CEiiA, em parceria com entidades brasileiras e empresas portuguesas especializadas nos setores automóvel e aeronáutico. A fase de testes com protótipo funcional em ambiente reservado está prevista para a primeira metade de 2019.

Quanto à sua conceção, Helena Silva, diretora-executiva do CEiiA, explica que resulta da integração de um carro autónomo com um drone, sendo capaz de andar em estrada ou pelo ar, consoante a conveniência. “Sempre que pensamos num carro, imaginamos um veículo único, que incorpora um habitáculo, onde estão os passageiros, e um conjunto de sistemas – motor, eixos, rodas – que permitem ao veículo deslocar-se pela estrada. O que fizemos foi desconstruir este conceito, distinguindo e separando o habitáculo do sistema de locomoção. Desta forma, podemos ter vários sistemas de locomoção, adaptados aos diferentes meios, e que podem ser utilizados em estrada ou pelo ar”.

“Com o Flow.me podemos ter, por exemplo, um sistema de locomoção rodoviário – com rodas – e um sistema aéreo – um drone – que são acoplados a um mesmo habitáculo em diferentes momentos”, acrescenta.

O percurso do CEiiA começou há 15 anos em torno do veículo elétrico interativo, que hoje passou de tendência a realidade. Mais tarde, há cerca de 10 anos, o CEiiA criou a unidade de aeronáutica e abraçou o desafio de participar em dois dos projetos mais exigentes desenvolvidos neste sector: o AW 609 da Leonardo e o KC390 da EMBRAER, tendo sido colocada pela primeira vez a bandeira nacional num projeto aeronáutico à escala global. Recentemente, o Centro de Engenharia começou a trabalhar num conceito de mobilidade conectada, integrada e sustentável, desenvolvendo a plataforma mobi.me – hoje uma referência mundial na gestão da mobilidade em mais de 70 cidades a nível mundial.

 

Ler mais
Recomendadas

Veja aqui a chave vencedora do Euromilhões

Em jogo está um prémio de 17 milhões de euros.

Programa de Renda Segura da Câmara de Lisboa já recebeu 39 candidaturas

As candidaturas às primeiras 300 habitações arrancaram há cerca de duas semanas e decorrem até 30 de junho.

Não paguei as minhas dívidas. O que faço agora?

Muitas vezes, o consumidor pressionado para pagar acaba por aceitar uma renegociação mal feita, que mais tarde também não conseguirá cumprir. Esta é uma solução a evitar. Face à perspetiva de incumprimento e demonstrando boa-fé, o primeiro passo a dar será o de procurar uma solução conjunta, no novo quadro orçamental.
Comentários