“Quarta-feira ao fim da manhã”. Marcelo marca tomada de posse do Governo

“Logo a seguir será convocada a primeira reunião da Assembleia da República que, se ocorrer, como se espera, na terça-feira, isso significa que na quarta-feira ao fim da manhã teremos a posse, e desejavelmente de todo o Governo”, acrescentou Marcelo Rebelo de Sousa.

marcelo_rebelo_sousa_legislativas_voto
Hugo Delgado/Lusa

Com os votos dos portugueses e dos emigrantes no estrangeiro todos contados, o Governo vai tomar posse na próxima quarta-feira, 23 de outubro. O Presidente da República que indigitou António Costa como primeiro-ministro afirma que a posse “será quarta-feira ao fim da manhã”.

“Decorre agora o período de eventual apresentação de recursos, de 24 horas”, após a contagem e apresentação dos votos dos emigrantes que residem em países estrangeiros. “Logo a seguir será convocada a primeira reunião da Assembleia da República que, se ocorrer, como se espera, na terça-feira, isso significa que na quarta-feira ao fim da manhã teremos a posse, e desejavelmente de todo o Governo, portanto, de todos os ministros e de todos os secretários de Estado”, acrescentou Marcelo Rebelo de Sousa.

No Palácio de Belém, o Presidente da República sustentou que o mais importante “é que temos a composição definitiva da Assembleia da República”. “Temos todas as condições para o arranque efetivo da nova legislatura, com o arranque da Assembleia da República convocada pelo senhor presidente da Assembleia da República e com a nomeação e posse do Governo, já na próxima semana”, sustentou.

Abstenção mais alta de sempre

Só com os votos todos contados foi possível auferir o número de abstenção total e se o Partido Socialista conseguiria mais votos. O XXII Governo da República Portuguesa conseguiu a taxa de abstenção mais elevada de sempre, com um recorde de 51,43%.

“Já sabíamos que ao alargar o eleitorado com os nossos compatriotas no estrangeiro significava que mesmo que aumentasse o número que votantes, que aumentou imenso, isso levaria a que o valor global subisse também”, declarou.

Agora, Marcelo Rebelo de Sousa revelou que a tomada de posse do Governo “vai permitir acelerar a apresentação do Programa do Governo, a sua apreciação no Parlamento”, sendo que Portugal se está a aproximar de outras democracias europeias, onde se verificam eleições e “o mais rápido possível há Governo a governar”.

Ler mais
Relacionadas

PSD reage ao novo Governo: “Baixa as expetativas de mudança para melhor”

Vice-presidente do PSD, José Manuel Bolieiro, acusa António Costa de fazer apenas uma “remodelação com alargamento”.

Primeiro-ministro garante Governo “coeso, estável e mais paritário”

O Governo enaltece a criação de dois ministérios transversais: Modernização do Estado e da Administrativa Pública (simplex/descentralização/ recursos humanos) e Planeamento focado na conclusão do PT2020 e no lançamento do novo Quadro e na reconstrução das competências de planeamento e análise prospetiva no Estado.

António Costa apresenta Governo com poucas alterações e quatro ministros de Estado

Mário Centeno, Pedro Siza Vieira, Augusto Santos Silva e Mariana Vieira da Silva são ministros de Estado. Alexandra Leitão, Ana Mendes Godinho, Ana Abrunhosa, Maria do Céu Albuquerque e Ricardo Serrão Santos passam a ser ministros, enquanto Vieira da Silva, Capoulas Santos e Ana Paula Vitorino deixam o Governo.
Recomendadas
TAP Portugal

TAP. Governo diz que está a ser avaliada hipótese da companhia aérea fazer “outro tipo de rotas”

O ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira, explica que a possibilidade ganhou força devido às alterações no mercado devido à pandemia da Covid-19 e ao aumento da frota da empresa que está “inativa”.

Diploma do Chega sobre incompatibilidade de políticos retirado do plenário pelo Governo

Presidência da Assembleia da República avisou gabinete de André Ventura que o Executivo não autorizou o arrastamento do seu projeto de lei para ser discutido em conjunto com proposta de lei sobre contratação pública. “O Governo não achou bem o projeto e passou por cima do presidente da Assembleia da República”, protestou o deputado único do Chega.

Efacec: Estado não vai assumir responsabilidade pelas dívidas de Isabel dos Santos, garante Governo

O Executivo socialista acredita que “grande parte” da dívida da empresária angolana aos bancos que financiaram a sua entrada na Efacec (Montepio, BPI e BIC) “está perdida” porque o valor da indemnização que vai resultar da avaliação que o Governo vai fazer “não será suficiente para amortizar a totalidade dessa dívida”.
Comentários