Quase 30% das startups sofreram ciberataques este ano

A conclusão é de um estudo da Dashlane, que verificou que em 2019 cerca de 19% registou entre um e cinco ataques informáticos e 5% mais de dez, enquanto este ano a percentagem das que teve entre um e cinco ataques aumentou para 24%.

As startups também sofrem riscos cibernéticos que empresas de maior dimensão enfrentam. Quer no ano passado quer durante os primeiros meses de 2020, 27% das startups com escritórios em Portugal admite que registou ciberataques, sobretudo de phishing (em 80% dos casos).

A conclusão é de um estudo da Dashlane, que verificou que em 2019 cerca de 19% dos inquiridos sofreu entre um e cinco ataques informáticos e 5% mais de dez, enquanto este ano a percentagem das que sofreu entre um e cinco ataques aumentou para 24%.

Através de um inquérito a 37 CEO, fundadores, diretores de segurança e outros responsáveis de startups em Portugal, realizado entre os dias 2 e 16 de junho, a empresa concluiu que os ataques de brute force, DDos e port scanning foram os tipos que se seguiram ao suprarrefiro phishing. Há ainda quem tenha reportado ataques de credential stuffing, ransomware e persistente avançado”.

“De realçar, no entanto, que o ano ainda não terminou e que estes números se referem apenas aos ataques ocorridos até cerca de metade do ano, o que pode significar que, em 2020, existe um agravamento em relação ao número de ocorrências”, pode ler-se no documento da Dashlane, uma aplicação desenvolvida para protege a identidade digital, dado que preenche e armazena automaticamente palavras-passe, dados pessoais e de pagamento.

Questionadas sobre que tipo de soluções de cibersegurança utilizam, as startups inquiridas referiram essencialmente sistemas de firewall (83%), backup (81%) e de armazenamento na cloud (78%). O mesmo estudo chegou à conclusão de que seis em cada dez empresas adequaram as soluções e, apesar do impacto económico da pandemia, nenhuma está a pensar reduzir o orçamento direcionado para a cibersegurança, pelo menos, nos próximos 12 meses.

Recomendadas

Uber só aceita carros elétricos a partir de 16 de julho

Uber quer acelerar eletrificação da frota de automóveis disponibilizados na plataforma. Para já, medida será aplicada aos novos veículos que se registem na plataforma nas áreas de Lisboa, Porto, Braga e Faro, nos serviços UberX, o principal da empresa, e Uber Comfort. Já nos serviços Black e XL, a empresa vai continuar a permitir a inscrição de veículos a gasóleo ou gasolina na sua plataforma, mas somente se substituírem um veículo já registado.

Retrato: 10 números que ilustram a delicada situação que a TAP vive

A pandemia da Covid-19 mudou o destino da companhia aérea portuguesa. Os vários cenários em cima da mesa neste momento apontam para a possibilidade de nacionalização, conforme já avisou o Governo, ou para a saída de um dos acionistas privados da empresa, David Neeleman. Estes 10 números ajudam a compreender a delicada situação que a transportadora aérea vive.

Da TAP à Air France-KLM. As principais condições impostas por Bruxelas para as ajudas de Estado

A Comissão Europeia impôs condições apertadas para os apoios de Estado às companhias áreas. A Lufthansa terá de abrir mão de 24 slots por dia em Frankfurt e Munique, a Air France vai reduzir os voos domésticos em 40% e a KLM o número de voos em o número de voos em 20%. Em Itália, o futuro da Alitalia parece mais incerto do que o da TAP.
Comentários