Quase 4.000 funcionários das escolas entram para os quadros

Quase quatro mil assistentes operacionais com contratos precários nas escolas tiveram parecer favorável no PREVPAP, anunciou esta quarta-feira a secretária de Estado da Educação, Alexandra Leitão.

Quase quatro mil assistentes operacionais com contratos precários nas escolas tiveram parecer favorável no Programa de Regularização Extraordinária dos Vínculos Precários na Administração Pública (PREVPAP), anunciou esta quarta-feira a secretária de Estado da Educação, Alexandra Leitão.

São 3.903 os funcionários das escolas que concorreram ao programa do Governo para regularizar a seu vínculo profissional e que já tiveram parecer favorável, segundo números avançados hoje por Alexandra Leitão durante a audição do ministro da Educação sobre a falta de pessoal nas escolas, requerida pelo PCP, que está a decorrer no parlamento.

Segundo Alexandra Leitão, há 2.100 trabalhadores cujo concurso já está terminado, outros 600 cujos processos estão “em período de homologação” e outros “1.100 que já têm parecer favorável e aguardam a homologação”, afirmou, explicando que estes últimos são processos mais complicados por se tratar de assistentes operacionais que trabalham em tempo parcial.

As explicações da secretária de Estado da Educação foram feitas depois das declarações do ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues: “Já homologuei quase três mil assistentes operacionais que tinham a sua situação precária e que puderam fazer parte agora da administração pública”.

Recomendadas

Destroços do Titanic vão ser protegidos por Reino Unido e EUA em “tratado histórico”

Passados 107 anos do desastre, os governos do Reino Unido e dos Estados Unidos da América assinaram um tratado de proteção dos destroços do navio contra os danos causados por quem o explora e quer remover os artefactos nele presente.

Banco Santander lidera Índice de Igualdade de Género da Bloomberg 2020

Para a elaboração do índice foram avaliadas 6.000 empresas de 84 países, tendo-se incluído no final 322 empresas.

Tribunal de Contas responde a Medina e fala em “tomadas de posição inaceitáveis”

Em resposta ao autarca de Lisboa, o Tribunal de Contas realça em comunicado que “a atuação do Tribunal foi coerente e conforme à lei: apreciou, no âmbito da fiscalização prévia, a legalidade de um contrato gerador de despesa no Município de Lisboa e realizou uma auditoria, de âmbito alargado, à gestão e alienação do património da Segurança Social”.
Comentários