Quase 600 empresas fecharam portas em setembro

Insolvências sobem 10,1% em setembro face ao período homólogo de 2017, refletindo o total de processos encerrados. Constituição de novas empresas cai 2,7%.

As insolvências em setembro registam um aumento de 10,1% (55 insolvências) para um total de 598. O valor acumulado apresenta-se superior a 2017 em mais 231 insolvências, para um total de 4.714, o que traduz um incremento de 5,2% face ao período homólogo do ano anterior, segundo a análise da Iberinform, filial da Crédito y Caución, divulgada esta quinta-feira.

Até final do terceiro trimestre de 2017 foram as declarações de insolvência que apresentam o valor mais elevado com um total de 2.573, mais 231 que em 2017 (numa subida de 12,1%), o que traduz a conclusão de um processo de insolvência independentemente da data da sua apresentação.  Até final de setembro, as declarações de insolvências requeridas diminuem 3,2% (menos 35), enquanto as declarações de insolvência apresentadas pelas próprias empresas aumentam 2% e os encerramentos com plano de insolvência caem 37,2%.

Lisboa e Porto são os distritos com mais ações de insolvência, 1.248 e 1.078 respetivamente, e no seu conjunto representam 49,4% do total nacional. No comparativo com 2017, verifica-se uma diminuição de 0,2% em Lisboa e um aumento de 19,1% no Porto.

Em 2018, até ao final do terceiro trimestre, os distritos com maiores aumentos são Angra do Heroísmo, com um aumento de 166,7%, Beja com uma subida de 68,4%, Guarda (64,9%), Horta (60%), Castelo Branco (46,2%) e Faro (35%). Estes distritos representam 7,6% do total nacional. No sentido oposto, as diminuições mais significativas registam-se na Madeira que revelou uma descida de 21,1%, Setúbal com um recuo de 17,4%, Leiria (15,6%), Évora (15,5%) e Viseu (14,8%). No conjunto, estes distritos perfazem 14,9% do total de insolvências.

No acumulado, 15 distritos aumentam as ações de insolvência (56,9% do total) e seis diminuem (41,4%). Apenas Viana do Castelo, que representa 1,7% do total do país, mantém um resultado idêntico ao de 2017 (79 insolvências).

Novas empresas: acumulado continua positivo e acima das 30 mil

A criação de novas empresas em setembro baixa de 3.254 em 2017 para 3.165 em 2018, menos 89 empresas constituídas em termos homólogos (numa descida de 2,7%). No entanto, o acumulado é positivo com um aumento de 9,5% face a 2017 para um total de 34.001 novas empresas.

O número mais significativo de constituições regista-se em Lisboa com 11.808 empresas, valor que traduz um aumento de 15% em relação a 2017. O Porto também apresenta um valor elevado de 6.073 empresas, tendo aumentado 12,8%, seguido de Setúbal (2.542 empresas, com um aumento de 20,2%), Braga (2.457 empresas, subindo 8%), Faro (1.900 empresas, mais 8,9%), Aveiro (1.510, 0,3%), Leiria (1.249, 5,4%), Coimbra (895, 2,9%) e Madeira (815, 3,6%).

As descidas mais significativas acontecem na Horta, numa queda de 34,5%, Portalegre com menos 24,7%, Beja onde desceram 16,1% e Bragança (menos 15%).

Agricultura Caça e Pesca é a atividade com a descida mais significativa de 25,3% em relação a 2017. Apenas mais dois setores apresentam diminuições: Telecomunicações (menos 2,4%) e Comércio a Retalho com uma descida de 1,5%. Os aumentos mais expressivos registam-se nos setores dos Transportes, onde aumentam 54,6%, Indústria Extrativa (com registo de mais 29,4%) e Construção e Obras Públicas (19,5%).

Os setores com maior peso em termos de constituições em 2018 são: Outros Serviços (47,7% do total nacional), Hotelaria e Restauração (11,7%), Construção e Obras Públicas (9,5%) e Comércio a Retalho (8,2%).

Ler mais
Recomendadas

Euribor em máximos de seis meses

As taxas Euribor a três, seis e 12 meses, subiram hoje para novos máximos desde junho.

IMI: se está a pagar mais do que deve tem até ao fim do ano para pedir uma nova avaliação da casa

Cálculos da DECO estimam que cerca de quatro milhões de imóveis podem estar a pagar imposto a mais porque as Finanças não atualizam automaticamente os coeficientes que determinam o valor do Imposto Municipal sobre Imóveis.

Combustíveis: Diferenças de preço entre postos podem chegar aos 25 cêntimos por litro

Escolher o posto de combustível mais barato pode garantir poupanças avultadas. Para uma família com dois automóveis, que consumam 200 litros por mês, poupar 25 cêntimos por litro significa menos 600 euros no final do ano.
Comentários