Quase metade dos administradores admitem práticas de suborno em Portugal

Esta perceção é superior em Portugal do que na média dos 55 países que fazem parte do relatório da EY, onde 38% dos inquiridos responderam da mesma forma.

Quase metade dos administradores portugueses admitem que as práticas de suborno e corrupção acontecem de forma abrangente em Portugal, segundo um relatório da consultora EY divulgado esta quarta-feira.

De acordo com o relatório ‘EY Global Fraud Survey 2018’, 46% dos inquiridos em Portugal afirmam que as práticas de suborno e de corrupção nos negócios acontecem de forma abrangente.

Portugal fica, assim, na posição 19.º entre os países inquiridos.

Entre os entrevistados a nível global, 78% acreditam que as suas empresas têm a intenção clara de penalizar a má conduta, mas apenas 57% consideram que houve algum tipo de penalização individual.

“Em Portugal, essa convicção é ainda mais baixa, situando-se apenas nos 40%”, afirma a EY, em comunicado.

Pedro Subtil, responsável da EY pela investigação na área da fraude para Portugal e Angola, refere que, em Portugal, ao contrário de outros países, “não existe ainda uma entidade com poderes sancionatórios no combate à corrupção”, um poder que diz ser “crucial” para dar eficácia às recomendações, como as do Conselho de Prevenção da Corrupção (CPC), ou para “transpor boas práticas”.

Os investigadores da EY conduziram um total de 2.550 entrevistas a administradores e líderes de empresas entre outubro e fevereiro em 55 países (em Portugal foram feitas 50 entrevistas).

O objetivo era obter a opinião dos administradores (sobretudo executivos) com responsabilidade para combater a fraude, corrupção e suborno.

Ler mais
Relacionadas

Finanças: três funcionários arrecadaram 1,4 milhões e vão ser julgados em maio por corrupção

Entre estes oito arguidos há dois advogados, um engenheiro, dois técnicos oficiais de contas, um comercial, um gráfico e uma colaboradora de um banco que, no âmbito das respetivas funções, obtinham, através dos três funcionários de uma repartição de finanças de Lisboa, elementos pessoais, patrimoniais, bancários e fiscais, a troco de dinheiro.
Recomendadas

Montalegre faz sessões de esclarecimento de combate à vespa velutina

A Câmara de Montalegre, através do Gabinete Técnico Florestal (GTF), promove três sessões de esclarecimento que visam combater a denominada Vespa Velutina, mais conhecida por “vespa asiática”. As sessões estão abertas a toda a comunidade. As acções, coordenadas pelo técnico José Luís Tavares, decorrem em Fafião (26 de Agosto, no Ecomuseu de Barroso – Vezeira […]

Vieira da Silva aguarda com tranquilidade pedidos de fiscalização da lei laboral

O ministro do Trabalho e da Segurança Social afirmou esta quarta-feira que vai aguardar com tranquilidade os eventuais pedidos de fiscalização da constitucionalidade das alterações à lei laboral, nomeadamente do alargamento do período experimental de 90 para 180 dias. O diploma que altera o Código do Trabalho foi promulgado na segunda-feira pelo Presidente da República […]

Ministério da Agricultura lança plano de recuperação florestal para Mação, Sertã e Vila de Rei

O Governo criou já o Grupo de Trabalho que vai elaborar o Plano Integrado de Transformação Territorial para os concelhos de Mação, Sertã e Vila de Rei, recentemente afectadas por grandes incêndios. O objectivo deste plano é recuperar a área ardida e activar a gestão agroflorestal. Trata-se de uma iniciativa conjunta dos Gabinetes dos Ministros […]
Comentários