Quase metade dos portugueses não denuncia más condições éticas no trabalho

Estudo do Institute of Business Ethics para a Universidade Católica do Porto indica também que 35% dos colaboradores nacionais tem conhecimento deste tipo de conduta, 52% identifica tratamento inapropriado, 38% comportamentos abusivos e 28% fala do registo incorreto de número de horas trabalhadas.

Quase metade dos portugueses (49%) não faz denúncias sobre as más condições éticas no seu local de trabalho. A conclusão surge de um estudo levado a cabo pelo Institute of Business Ethics (IBE) com a parceria da Universidade Católica do Porto.

A análise elaborada por estas entidades mostra que “o facto de não acreditarem que seriam tomadas medidas para alterar a situação, que os abusos não são um assunto diretamente da sua responsabilidade ou que a denúncia poderia comprometer o seu trabalho” levam os trabalhadores a não avançar com qualquer medida sobre o assunto.

Este estudo revela também que, em Portugal, 22% dos colaboradores admite ter desrespeitado os padrões éticos, devido à pressão do tempo (36%) à escassez de recursos (29%) e para cumprir ordens superiores (26%).

Outros números mostram que 35% dos colaboradores nacionais tem conhecimento deste tipo de conduta, 52% identifica tratamento inapropriado, 38% comportamentos abusivos e 28% fala do registo incorreto de número de horas trabalhadas.

Este relatório , apresentado pela primeira vez em 2005, questiona os colaboradores sobre a forma como respondem aos dilemas éticos que surgem no seu dia-a-dia no trabalho. O estudo foi realizado a 6.119 colaboradores, de oito países europeus:Portugal, Espanha, França, Alemanha, Irlanda, Itália, Suíça e Reino Unido, entre 5 e 25 de fevereiro de 2018.

Relacionadas

Erica Groshen: “Culpa do baixo crescimento salarial não é a produtividade”

Em entrevista ao Jornal Económico, à margem do Fórum BCE, a economista e antiga Comissária da ‘Bureau of Labor Statistics’, Erica Grosehn explica que os salários dos trabalhadores médio norte-americanos aumentaram enquanto os dos trabalhadores pouco qualificados se mantiveram inalterado em termos reais, agravando as desigualdades.

Patrões admitem proposta de salário mínimo acima dos 600 euros para 2019

Na entrevista à Antena 1/Jornal de Negócios o presidente da CIP lamentou ainda que o Ministério da Economia tenha “poucos instrumentos, para não dizer nenhuns, para estimular a economia”.
Recomendadas

Associações deixam comissão sobre estratégia dos cereais e culpam Governo

Em causa está a “evidente falta de compromisso” do Ministério da Agricultura em aplicar esta estratégia, sobretudo, após ter remetido às confederações um documento relativo às decisões sobre os pagamentos diretos 2022 da Política Agrícola Comum (PAC).

Bruxelas tem 12 milhões de euros para apoiar os media e já abriu candidaturas

Bruxelas quer apoiar os media de forma a “estimular uma esfera pública viva e diversificada” na União Europeia. A verba agora disponibilizada divide-se em quatro tipos de apoios diferentes à comunicação social, desde projetos multilingues a redes de comunicação para os mais jovens.

Fintech portuguesa Magnifinance vai entrar na Alemanha e Áustria

A empresa financeira, que conta com 15 pessoas distribuídas por Portugal, Brasil e Espanha, não vai precisar de aumentar exponencialmente a equipa, mas quer encontrar mais um programador (‘full-stack web developer’).
Comentários