Quatro letras e dois números. Novas matrículas mais próximas de se estrearem nas estradas portuguesas

Quando entrar em vigor, as matrículas podem ser distribuídas por cerca de 28 milhões de veículos portugueses. As letras “Y, K e W” vão passar a estar inseridas nas matrículas, uma vez que “na sequência do Acordo Ortográfico, estas letras passaram a integrar o alfabeto”.

A novidade chegou ainda em 2018, mas só a partir deste ano é que se vão ver as novas matrículas em circulação nas estradas portuguesas. O diploma de Governo relativamente à alteração do regulamento do número e chapa de matrícula, código da estrada e regulamento da habilitação legal para conduzir foi promulgada pelo Presidente da República.

Assim, e com o diploma já aceite, as novas matrículas já podem circular na estrada quando as atuais esgotarem. O diploma foi aprovado em Conselho de Ministros no passado dia 19 de setembro de 2019, e o objetivo é introduzir novas combinações com um formato simplificado que pretende harmonizar “o modelo português com o da generalidade dos estados-membros da União Europeia”.

O novo modelo ‘AA-00-AA’ vai então passar a estar disponível para a matriculação dos carros novos. “Cada uma destas séries corresponde a cerca de cinco milhões de números de matrículas”, avançou o IMT em dezembro de 2018. Agora, “o número de matrícula a utilizar passará a ser constituído por dois grupos de duas letras e um grupo central de dois algarismos”.

Quando entrar em vigor, as matrículas podem ser distribuídas por cerca de 28 milhões de veículos portugueses. O número elevado significa que as letras “Y, K e W” vão passar a estar inseridas nas matrículas, uma vez que “na sequência do Acordo Ortográfico, estas letras passaram a integrar o alfabeto”.

Com o diploma aceite em Conselho de Ministros e promulgado por Marcelo Rebelo de Sousa, o código da estrada e regulamento da habilitação legal para conduzir também vão verificar mudanças. Assim, vai proceder-se à alteração do regime de emissão, revalidação, substituição, segundas vias e trocas de títulos de condução nacionais e estrangeiros, que passam “a poder ser prestados nos espaços cidadão, pelos trabalhadores que prestam o atendimento do serviço”.

Ao mesmo tempo, o prazo para a troca dos títulos de condução não comunitários vai ser alterado de 90 dias para dois anos, “alinhando-se com o regime previsto para a revalidação por caducidade das cartas de condução portuguesas”.

Ler mais
Relacionadas

Quatro letras e dois números. Veja aqui como vão ser as novas matrículas

Já existem novas matrículas para os veículos novos. Vai ser distribuído um total de 28 milhões de matrículas e é assim que vão ser.

Novas matrículas de carros podem perder referência a mês e ano

As alterações à regulamentação dizem respeito à mudança da série de matrículas 00-AA-00 para AA-00-AA, cuja alteração já foi aprovada em Conselho de Ministros em 19 de setembro de 2019.

Novas matrículas: IMT admite emitir mais 170 mil matrículas atuais

“Neste momento, a atual série de matrículas ainda permite atribuir cerca de 170 mil matrículas o que poderá corresponder a cerca de quatro meses, dependendo do ritmo da emissão de novas matrículas”, referiu a entidade, em resposta a perguntas da agência Lusa.
Recomendadas

Vai ser fiador de um empréstimo? Saiba como evitar um desastre financeiro

A figura jurídica do fiador, requisitada muitas vezes pelas instituições financeiras para crédito pessoal, automóvel e à habitação, acarreta, como expectável, mais deveres do que direitos. Isto porque, caso o devedor não pague a dívida que contraiu, ao fiador será requisitado que entre com capital, ou pior: património.

Simulações. Sabe quanto vai descontar de IRS em 2020? Quem ganha até 659 euros mensais fica isento

O Governo publicou hoje as novas tabelas de retenção na fonte a aplicar aos rendimentos de trabalho dependentes e de pensões em 2020. Isenções para quem ganha até 659 euros por mês. Contribuintes solteiros, sem filhos, que ganhem até 685 euros brutos vão descontar menos 412 euros por ano. Veja aqui as simulações.

Alguns mitos sobre o consumo de energia

As placas a gás são dos equipamentos menos eficientes a transmitir calor. Escolha o bico adequado ao tamanho de cada panela ou frigideira. Se a chama ultrapassar o fundo do recipiente, ainda desperdiça mais energia.
Comentários