Que futuro para a ADSE? Assista à intervenção de João Proença na SEDES

Conferência “Uma ADSE com Futuro”, no âmbito do ciclo “Fim de tarde na SEDES com quem sabe”, realizou-se esta segunda-feira no auditório da Associação para o Desenvolvimento Económico (SEDES). Assista à sessão que contou com João Proenca, presidente do conselho geral e de supervisão da ADSE.

Relacionadas

“O sistema atual é perverso para a saúde pública”, diz João Proença

Presidente do conselho geral de supervisão (CGS) da ADSE sustentou que é necessário refletir sobre a relação com o Serviço Nacional de Saúde.

João Proença: “A ADSE tem problemas seríssimos devido a falta de pessoas”

Presidente do Conselho Geral e de Supervisão culpa Governo e Conselho Diretivo da ADSE por uma “paralisia inaceitável” provocada com “vetos de gaveta” por parte do Ministério das Finanças.

João Proença: “Conselho Diretivo não faz mais convenções e as Finanças estão a pôr em causa a sustentabilidade”

Presidente do Conselho Geral e de Supervisão da ADSE lança críticas duras a quem entende pôr em causa a sustentabilidade do sistema.

João Proença: “A ADSE é financeiramente equilibrada”

Presidente do conselho geral de supervisão da ADSE reconheceu que esta visão “não quer dizer que não haja problemas”, frisando que a ADSE enfrenta alguns desafios: “É um instituto público a dar os primeiros passos”.

João Proença: “Governo mais troikista que a troika pôs a ADSE completamente financiada pelos beneficiários”

Presidente do Conselho Geral e de Supervisão diz que a ADSE está distante da ideia que muita gente faz dela, sendo financiada pelos beneficiários. João Proença está a ser falar do futuro da ADSE numa conferência na SEDES.
Recomendadas

“Jogo Económico”. “MotoGP em Portugal? Tudo indica que vamos ter esta prova de forma regular a partir de 2022”

Jorge Pessanha Viegas, presidente da Federação Internacional de Motociclismo, foi o convidado da última edição do programa “Jogo Económico”, da plataforma JE TV. A propósito do MotoGP, este dirigente internacional acredita que Portugal vai entrar em definitivo no calendário já em 2022.

OE2021: “faltam incentivos à criação do próprio emprego”

Anabela Silva, fiscalista e ‘partner’ da EY, defende a criação, em sede orçamental, de incentivos à criação do próprio emprego e também o aumento de deduções à coleta para que as famílias possam fazer face às despesas acrescidas em virtude da pandemia.

OE2021 devia permitir “reporte de prejuízos fiscais perpetuamente”, diz fiscalista

Pedro Fugas, fiscalista da EY, considera que a proposta de Orçamento do Estado para 2021 poderia ter sido mais “audaz” e alargar o regime de reporte dos prejuízos fiscais das empresas contra os lucros tributáveis.
Comentários