Que temperatura vamos ter em 2018?

A temperatura média global voltará a subir no próximo ano, mas não é provável que bata novo recorde, devido ao efeito do La Niña no Pacífico.

A agência meteorológica do Reino Unido – Met Office, como é conhecida, estima que a temperatura média global em 2018 se situe entre os 0,88 e os 1,22 graus Centígrados acima da média registada no período 1850/1900.

“ O ano de 2018 será muito quente em termos globais, mas é improvável que exceda o recorde estabelecido em 2016”, avançou Adam Scaife, responsável pelo serviço de previsões de longo prazo do Met Office.

Em novembro, a Organização Meteorológica Mundial já adiantara que 2017 estará entre os anos mais quentes de que há memória. Ainda assim ligeiramente abaixo do recorde de 2016 e mais nas proximidades do registado em 2015.

“Em 2018, a temperatura global permanecerá elevada, mas as atuais condições do La Niña sugerem que as temperaturas médias serão acerca de 0,1 graus inferiores ao que se esperaria”, disse ainda Adam Scaife, acrescentando que a previsão se baseia em fatores climáticos globais, mas não inclui imprevistos.

O fenómeno El Niña é o oposto do fenómeno El Niño. Refere-se a uma diminuição da temperatura das águas do Oceano Pacífico, que, nesta altura, estarão três a quatro graus abaixo da média.

 

Recomendadas

Emissões de gases com efeito de estufa aumentaram 18% na União Europeia

Os responsáveis pela maior parte das emissões de gases com efeito de estufa foram a indústria e construção, o fornecimento de eletricidade e a agricultura (14%), divulga o Eurostat.

Projeto de 31 milhões de euros para proteção florestal vai beneficiar 15 mil hectares

O projeto terá em conta também a redução do risco de incêndio, com a diversificação e combinação de espécies, criação de faixas de gestão de combustível e vigilância regular.

Premium“Não podemos ter mil hectares intervencionados com um enclave”, afirma secretário de Estado das Florestas

Arrendamento forçado é apontado pelo secretário de Estado das Florestas como garantia de que “ínfima minoria” não condicione áreas que podem travar incêndios e garantir apoios a produtores até agora excluídos desses rendimentos.
Comentários