Queiroz Pereira: A nova vida do maior grupo industrial português

Pedro Queiroz Pereira, falecido em agosto do ano passado, ficou para a História como um empresário audacioso, pragmático e visionário. O império que deixou às três filhas fatura mais de dois mil milhões de euros por ano e serão vários os interessados em ‘joias da coroa’ como a Navigator, a Secil e o Hotel Ritz. Mas a família pretende manter os ativos e a estratégia passa por continuar a crescer e a valorizar o património familiar, incluindo por via de aquisições. O grupo deverá, parajá continuar nas mãos do clã, com o apoio de gestores da ‘escola’ McKinsey.

edro Queiroz Pereira, popularmente conhecido como “PêQuêPê”, ficou para a História recente da economia nacional como o grande impulsionador daquele que se tornaria o maior grupo industrial português da atualidade, com presença em setores como a pasta e papel, os cimentos, o ambiente, o turismo e o imobiliário. O antigo piloto de ralis, que em tempos foi forçado a assumir a liderança dos negócios da família, após o trágico desaparecimento do seu irmão mais velho, revelou-se um empresário audacioso, pragmático e visionário, que construiu um império que dá trabalho a cinco mil pessoas, fatura dois mil milhões de euros e gera 550 milhões em EBITDA por ano.

Seis meses volvidos desde o súbito falecimento do empresário, aos 69 anos, o controlo deste grupo avaliado em mais de mil milhões de euros está nas mãos das suas três filhas, Filipa, Mafalda e Lua, com a condução dos negócios entregue a dois gestores vindos da consultora McKinsey: o alemão Heinz-Peter Elstrodt (chairman) e João Castello Branco (CEO). Este modelo, de separação entre a esfera acionista e a gestão profissional, foi preparado pelo próprio Queiroz Pereira, de modo a salvaguardar o património das filhas e a prevenir o desmembramento do grupo, tal como o JE avançou em maio de 2017.

Com vista a compreender o atual momento da Semapa, o JE procurou obter esclarecimentos junto da família e da Semapa, mas tal não foi possível até ao fecho da edição. No entanto, ao longo de várias semanas, ouvimos as opiniões de pessoas que conhecem a atual realidade das empresas do grupo e da família. Sob anonimato, gestores, banqueiros, advogados e outros responsáveis lançaram luz sobre o que deverá ser o futuro próximo do universo a que pertencem a papeleira The Navigator, a cimenteira Secil, o Hotel Ritz e várias outras empresas e empreendimentos e projetos imobiliários e turísticos.

Tal como sucede em ocasiões semelhantes, as herdeiras do empresário têm dois caminhos à disposição: vender os ativos (se as regras do family office criado pelo empresário o permitirem), ou manter o controlo do grupo, contando para tal com a ajuda de gestores profissionais. As fontes contactadas pelo JE são unânimes em afirmar que, para já, as três irmãs que herdaram o controlo da Sodim (holding familiar que tem 72% da Semapa), deverão escolher a segunda opção. Filipa, Mafalda e Lua Queiroz Pereira não deverão vender ativos no curto prazo, apesar de existirem vários interessados em comprar cash cows como a The Navigator, que fechou 2018 com lucros de 235 milhões de euros. O mindset será o oposto: a Semapa continua focada em crescer, se necessário por aquisições, tal como o JE já tinha noticiado em novembro de 2017, ainda o patriarca era vivo. “A família está unida e partilha do objetivo de fazer crescer o grupo. Não há pressas”, garantiu uma fonte próxima do clã.

Por sua vez, um responsável do setor financeiro recordou que Heinz-Peter Elstrodt tem vasta experiência como especialista em transição geracional e profissionalização de empresas familiares. É o “chairman ideal” tanto para a holding familiar Sodim como para a Semapa, de modo a manter o grupo numa trajetória estável, sem aventuras nem riscos excessivos, defendeu. “Elstrodt é estrangeiro, tem uma carreira bem sucedida lá fora, não quer ser CEO e não precisa de palco. É a pessoa certa para aquilo que o Pedro Queiroz Pereira pretendia quando preparou a sua sucessão”, disse.

Por sua vez, João Castello Branco é o executivo que detém as rédeas da gestão da Semapa e que, com a anunciada saída de Diogo da Silveira de CEO da Navigator, reforçou o seu poder sobre o grupo. Castello Branco vai inclusivé substituir Diogo da Silveira até que seja escolhido um novo CEO da ‘jóia da coroa’ do grupo, prevendo-se que seja alguém alinhado com a nova liderança.

Americanos, nórdicos e chineses olham para a The Navigator

Após o falecimento de Pedro Queiroz Pereira, em agosto do ano passado, houve no mercado quem colocasse a hipótese de as suas herdeiras venderem os negócios da família, dado não terem ainda experiência na gestão de um grupo industrial desta dimensão. Os advogados de negócios e os assessores financeiros foram os primeiros a colocarem-se em campo, tomando o pulso a potenciais interessados.

Um destes responsáveis explicou ao Jornal Económico que “existem três categorias de potenciais interessados nos ativos da família Queiroz Pereira: americanos, chineses e grupos nórdicos da indústria do papel”. Quanto aos investidores portugueses, o apetite existe, mas a Semapa já é demasiado grande para o capital nacional.

“Só vejo uma solução para os portugueses, que é juntarem-se a investidores internacionais”, disse um advogado de negócios ouvido pelo Jornal Económico.

“Há muitos interessados, sobretudo na Navigator, mas não tenho informação de que a família tencione vender”, disse, por sua vez, um banqueiro de investimento que pediu igualmente para não ser identificado.

O certo é que os interessados até podem fazer fila, mas nada será vendido se não for essa a vontade de Filipa, Mafalda e Lua Queiroz Pereira, que contam com o apoio e aconselhamento dos dois gestores vindos da McKinsey, João Castello Branco e Heinz-Peter Elstrodt. Ambos têm servido de conselheiros da família e serão contrários a uma eventual decisão apressada de venda dos ativos. Até porque, com a Semapa entregue a gestores profissionais e a gerar dividendos anuais na casa dos 30 milhões de euros, a família poderá viver de forma confortável durante muitas gerações. E, com uma margem EBITDA de 25%, seria difícil encontrarem um ativo mais rentável. “Onde é que a família investiria a quantidade imensa de dinheiro que receberia se vendesse uma empresa destas?”, interrogou-se uma fonte.

“PêQuêPê” ainda tem uma palavra a dizer

Outro fator que deverá ser tido em conta na definição do futuro do grupo Semapa é a vontade do patriarca, que, tal como o JE noticiou, criou em 2017 um fundo fechado unifamiliar (single family office) que prevê a propriedade conjunta pelas três filhas e estabelece prazos e condições para eventuais vendas de ativos. Desta forma, “PêQuêPê” ainda terá uma palavra a dizer sobre o futuro.

Esta foi a forma que o empresário encontrou para colocar a Semapa a salvo de ofensivas hostis e de guerras familiares, aprendendo com a sua própria experiência.

Por um lado, ao longo da sua carreira de empresário, Queiroz Pereira assistiu à queda de vários grandes grupos nacionais, que acabaram em mãos estrangeiras e com os seus anéis dispersos aos quatro ventos. A Cimpor, que Queiroz Pereira tentou comprar e cujo fim profetizou,  anos antes da compra pela Camargo e pela Votorantim, é o caso paradigmático de uma empresa vítima da escassez de capital e de estratégia em Portugal.

Por outro, Queiroz Pereira teve a oportunidade de provar o gosto amargo dos conflitos familiares, nas guerras travadas com as irmãs Maude e Margarida e com o Grupo Espírito Santo (GES) pelo controlo da Semapa. Foi no âmbito dessa guerra judicial e mediática, em 2013, que Queiroz Pereira forneceu ao Banco de Portugal as informações que o levariam a apertar o cerco a Ricardo Salgado, ajudando assim a derrubar o banqueiro a quem chamavam “Dono Disto Tudo”. Pedro Queiroz Pereira acabou por vencer esta guerra, levando o GES ao tapete e forçando as irmãs a entregarem-lhe o controlo do grupo Semapa, mas ficaram as cicatrizes.

Artigo publicado na edição nº1978 de 1 de março do Jornal Económico

Ler mais
Recomendadas

A organização orientada ao cliente

Para ser orientada ao cliente, uma empresa não precisa de criar novas competências técnicas, apenas de se reorganizar para criar vantagens competitivas sustentáveis face à concorrência.

PremiumTomás Correia impugna condenação do Banco de Portugal

O atual presidente da Associação Mutualista Montepio Geral entregou no fim de maio no Tribunal de Santarém a ação de impugnação do processo de contraordenação que aplicou uma multa de 1,25 milhões. O Jornal Económico sabe a juíza aceitou a ação de impugnação e, “ao contrário do Ministério Público vai chamar testemunhas”, diz fonte conhecedora do processo.

Lista secreta de devedores da banca deverá ser hoje divulgada de forma agregada, sem nomes e créditos individuais

Só deverão ser divulgados dados agregados, não individualizando devedores e respectivas operações dos sete bancos que receberam ajudas públicas nos últimos 12 anos. Valor total de créditos concedidos e valor agregado de perdas deverão ser hoje conhecidos.
Comentários