Queiroz Pereira pede suspensão do dever de lançar OPA à Sonagi

A mãe Queiroz Pereira doou ao filho todas as ações que detinha numa holding Vértice SGPS, no passado dia 27 de dezembro de 2017, e, em consequência, a participação da dona da Semapa na holding de imobiliário passou para 70,3%, o que obrigaria ao lançamento de uma OPA sobre a Sonagi. Mas foi pedida a suspensão desse dever por 120 dias.

A mãe Queiroz Pereira doou ao filho todas as ações que detinha numa holding Vértice SGPS, no passado dia 27 de dezembro de 2017, e, em consequência, a participação qualificada indirecta na Sonagi, SGPS, de 34,97%, que lhe era imputável por via das participações que detinha directamente na Vértice e na Sociedade Agrícola da Quinta da Vialonga, reduziu-se de 34,97% do capital social e direitos de voto para 14,02% (doou 20,90%).

Por contrapartida, o filho, Pedro Queiroz Pereira, reforçou a sua posição na holding imobiliária do grupo Semapa, a Sonagi. O empresário, através da Sodim (dona da Semapa com 71,93%) tinha 49,37% da SGPS do setor imobiliário e fica agora com parte (20,90%) da posição da mãe Maude Queiroz Pereira. Isto é, passa a ser-lhe imputada 70,33% da Sonagi.

Tratando-se a Sonagi de uma entidade com valores cotados, a Sodim viu-se obrigada, “em conformidade com o previsto no artigo 190º do Código dos Valores Mobiliários”, a promover a suspensão pelo prazo máximo de 120 dias do dever de lançamento de uma OPA sobre a Sonagi que para si poderia decorrer das imputações de voto acima descritas.

“A Sodim SGPS, informa que, na sequência de informação recebida de que se lhe deveriam passar a imputar também os direitos de voto inerentes a 2.095.628 ações da Sonagi, SGPS, pertença da sociedade Vértice – Gestão de Participações, SGPS [que era de Maude Queiroz Pereira, mãe de Pedro Queiroz Pereira], em consequência desta última sociedade ter passado a ser controlada pelo seu administrador Pedro Queiroz Pereira, facto que, em conformidade com o entendimento que lhe foi transmitido, determinaria que passassem a ser considerados como seus os direitos de voto inerentes a 7.033.028 ações da Sonagi, correspondentes a 70,33% do respetivo capital social, deliberou, cautelarmente e em conformidade com o disposto no artigo 190º do Código dos Valores Mobiliários, exercer o direito de suspensão de dever de lançamento de uma OPA obrigatória sobre a referida Sonagi, pelo prazo legal máximo de 120 dias”, lê-se no comunicado à CMVM.

“Em conformidade com o previsto no nº 2 do artigo 190º do Código dos Valores Mobiliários, enquanto a suspensão do dever de lançamento de OPA se mantiver, ficarão inibidos os direitos de voto controlados pela Sodim inerentes a ações representativas do capital social da Sonagi que excedam o limite legal e estatutário a partir do qual o lançamento seria exigido”, conclui o comunicado.

Recomendadas

Antigo “Pão de Açúcar” vai ganhar nova vida

O Edifício Pacífico vai ocupar a área de cerca de 49 mil metros quadrados com espaços comerciais, serviços, escritórios, residências com serviços e um hotel.

Dona do Amoreiras notifica Concorrência da compra do Fórum Aveiro

A operação foi notificada há uma semana, em 9 de outubro, e concretiza-se através da aquisição do controlo exclusivo sobre a RPFI Aveiro pela Mundicenter, detida pela construtora Alves Ribeiro.

Franceses campeões do investimento no imobiliário em Portugal no primeiro semestre

No primeiro semestre de 2019 os franceses foram os estrangeiros que mais investiram no imobiliário português, de acordo com o Gabinete de Estudos da Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal. Investimento estrangeiro representa já cerca de 16% do total das transações no sector.
Comentários