Queixas sobre companhias aéreas aumentam 40% em 2020 para 8.844

Segundo as informações reunidas pela Deco Proteste, sobre as queixas dos portugueses no que respeita a companhias aéreas, o ano passado foi o pior em termos de dúvidas e reclamações, com um total de 8.844 registos, o maior aumento (39,9%) em relação ao ano anterior, quando tinham sido registadas 6.320.

As reclamações sobre companhias aéreas na plataforma Reclamar subiram de 6.320, em 2019, para 8.844, em 2020, um aumento de quase 40%, sendo a TAP a empresa mais reclamada, mas também uma das mais usadas, divulgou hoje a Deco Proteste.

Segundo as informações reunidas pela Deco Proteste, sobre as queixas dos portugueses no que respeita a companhias aéreas, o ano passado foi o pior em termos de dúvidas e reclamações, com um total de 8.844 registos, o maior aumento (39,9%) em relação ao ano anterior, quando tinham sido registadas 6.320.

Já de 2018 para 2019, o número de reclamações tinha passado de 5.441 para 6.320, uma subida de cerca de 16%.

Numa análise às três empresas mais reclamadas — TAP, easyJet e Ryanair, por esta ordem –, que são também as que os portugueses mais usam, as queixas por atrasos prevalecem na TAP e por cancelamentos nas ‘low cost’.

Só este ano, a Deco Proteste recebeu 826 reclamações referentes à TAP, 88 à easyJet e 45 à Ryanair.

Segundo a Deco Proteste, “a maior parte das reclamações referentes a companhias aéreas tem a ver com atrasos (complicados ainda por conexões que se perdem), cancelamentos, perdas de bagagem e ‘overbooking’, por esta ordem de importância”.

Os problemas reportados pelos consumidores são ainda “exacerbados pela incapacidade de as empresas darem resposta adequada e em tempo útil às reclamações”, acrescenta.

Recomendadas

“AgentTesla”. Conheça o vírus mais perigoso para as empresas em Portugal

Este trojan de acesso remoto atingiu 6% das organizações nacionais no mês passado.

Saiba o que fazer quando o credor avança para cobrança judicial

É importante que esteja ciente que, enquanto devedor, todos os seus bens respondem pelo pagamento das suas dívidas.

Greenpeace pede à UE que proiba voos de curta distância e os substitua por comboios

A organização ambientalista Greenpeace pediu hoje à União Europeia para proibir voos de curta distância no seu território quando seja possível substituí-los por viagens de comboio com menos de seis horas, para reduzir as emissões de CO2.
Comentários