Quem paga a guerra comercial? Sobretudo as empresas chinesas, revela estudo

Introdução das tarifas norte-americanas aos produtos chineses tem consequências sobretudo para a dinâmica das empresas exportadoras chinesas e não para os consumidores ou empresas norte-americanas, segundo estudo do EconPol.

Guerra Comercial EUA-China

A guerra comercial entre os EUA e a China é um dos principais riscos no cenário internacional, afetando o crescimento económico global. Mas um novo estudo revela que o principal custo económico recai sobretudo sobre as empresas chinesas.

Num artigo intitulado “Who is paying for the trade war with China?”, publicado pelo European Network for Economic and Fiscal Policy Research (EconPol), Benedikt Zoller-Rydzek e Gabriel Felbermayr defendem que a introdução das tarifas norte-americanas aos produtos chineses tem consequências sobretudo para a dinâmica das empresas exportadoras chinesas e não para os consumidores ou empresas norte-americanas.

Os analistas verificaram que um aumento de 25 pontos percentuais nas tarifas norte-americanas sobre os produtos chineses se reflete num aumento dos preços no consumidor nos EUA, em média, de apenas 4,5%, enquanto que o preço que as empresas chinesas pagam ao produtor cai 20,5%.

“O governo dos EUA tem imposto estrategicamente taxas de importação sobre bens com elevada elasticidades de importação, o que transfere uma grande parte do encargo exportador”, sublinha o estudo.

Segundo os dados analisados, as empresas chinesas pagam aproximadamente 75% da carga tarifária, sendo que as tarifas diminuiram 37% das exportações chinesas de bens para os Estados Unidos, com o défice comercial entre os dois países a cair 17%.

“Através da sua escolha estratégica de produtos chineses, o governo dos EUA não só era capaz de minimizar os efeitos negativos sobre os consumidores e as empresas norte-americanas, mas também criar ganhos substanciais para o bem-estar nos EUA”, concluem.

Ler mais

Recomendadas

Café do vulcão cabo-verdiano do Fogo chega ao gigante Starbucks

Uma parceria estabelecida entre empresários holandeses e cabo-verdianos está a levar o café da ilha do Fogo, produzido biologicamente junto ao vulcão, à gigante norte-americana Starbucks, a maior rede de cafés do mundo.

PremiumFintech Pagaqui investe nas criptomoedas

Empresa quer continuar próxima dos pequenos retalhistas e está a criar serviços para que os clientes paguem o café com moedas digitais.

Indígenas protestam junto da sede da Repsol contra petróleo no mar brasileiro

Um grupo de indígenas brasileiros, em conjunto com representantes do movimento de proteção ambiental 350.org, manifestaram-se hoje junto da sede da petrolífera Repsol em Madrid contra o uso de combustíveis fósseis, pedindo um “mar sem petróleo”.
Comentários