Quem são os houthis, o grupo por trás do ataque ao petróleo saudita?

O conflito no Iémen radica em 14 séculos de afastamento entre sunitas e xiitas – mas é de petróleo que, centenas e centenas de anos depois do início dos desentendimentos com a Arábia Saudita, se está a falar.

O ataque dos rebeldes houthis contra as instalações sauditas de Aramco não é um evento isolado: faz parte de um confronto entre os dois países no quadro da guerra civil que ocorre no Iémen desde 2014 e no qual a Arábia Saudita é um dos países mais envolvidos na tentativa de impedir o Irão de aumentar sua influência numa região dividida entre as duas potências.

O confronto é (muito) antigo: vem do tempo em que o profeta Mohammed (normalmente abreviado para Maomé, o que não agrada nada aos árabes) faleceu (em 632, ou no ano 10 da hégira) e o mundo islâmico dividiu-se entre sunitas e xiitas – tendo a discórdia a ver com a sucessão do profeta. Desde essa altura, enquanto o sunismo se tornava predominante, os xiitas acantonaram-se no Irão, Iraque e Iémen, de forma mais ou menos explícita e mais ou menos violenta, as duas correntes ora se suportam, ora se confrontam.

Embora o ataque à Aramco tenha sido o golpe mais violento (devido ao seu alcance destrutivo), há menos de um mês outras instalações do gigante saudita foram também atacadas, com os houthis (xiitas) a argumentam que esses ataques são uma resposta “legítima” após vários anos de ataques sauditas contra essa tribo na guerra civil do Iémen.

O Iémen está dividido entre as duas principais correntes do Islão: 47% da população segue o rito xiita e os 53% restantes são considerados sunitas (corrente predominante na Arábia Saudita, Egipto e em quase todo o restante mundo árabe.

Ignacio Fuente Cobo, analista do Instituto Espanhol de Estudos Estratégicos (IEEE), citado pelo jornal ‘El Economista’, disse que este conflito tem grande relevância na região porque reflete a crescente rivalidade entre os dois países que competem pela liderança no mundo muçulmano: “Por um lado a Arábia Saudita, que adotou a visão extrema da religião muçulmana de confissão sunita. (o wahabismo, [há já vários séculos], e por outro lado o Irão, que se autoproclamava desde a revolução do Aiatolá de 1979 porta-voz da causa dos xiitas no mundo. O Iémen seria outro capítulo da luta entre as duas visões geopolíticas”.

Este especialista alerta que esse conflito tem um terceiro nível, que envolve grandes potências a lutarem para manter a estabilidade na área, por ser um enclave vital para o mundo em termos energéticos.

A Arábia Saudita luta pelo lado de Abd Rabbuh Mansur al-Hadi, presidente da República do Iémen, sunita e a intervenção de Riad e de outros países árabes visa conter o avanço das forças aliadas do Irão para impedir o que aconteceu na Síria, no Iraque e no Líbano, onde, diz aquele especialista, os xiitas têm a maior fatia do poder e transformaram os seus países em satélites de Teerão.

A insurgência houthi, tendo o apoio indireto do Irão, faz parte do ‘esquema’: “o Irão estaria a usar uma estratégia de intervenção indireta semelhante à usada com o Hezbollah no Líbano, isto é, usando o seu instrumento de projeção externa, o Corpo de Guardas Revolucionários Iranianos, para apoiar o movimento hostil a Riad, mas sem implementar operações militares diretas”.

As acusações dos Estados Unidos contra o Irão após o ataque de drones à Aramco devem-se ao fato de este grupo militar só com a ajuda do Irão (com instrutores e tecnologia, possivelmente) ter alcançar a capacidade de intervir militarmente com drones.

Ana Belén Soage, professora de Ciência Política da Universidade de Suffolk, citada pelo mesmo jornal, destaca que o Irão está a tentar aumentar a sua influência no Oriente Médio, embora seja verdade que o Iémen é menos importante para Teerão que outros países muçulmanos (devido ao seu tamanho limitado e à falta de recursos energéticos). “O governo Donald Trump parece ter optado por um apoio mais forte à coligação liderada pela Arábia Saudita numa guerra estagnada, disse. Tudo isso com a questão do petróleo por trás”, diz.

Ler mais
Recomendadas
Steve King com Donald Trump

Republicanos livram-se do rosto da supremacia branca em Washington

Congressista Steve King foi derrotado nas primárias republicanas no círculo do estado do Iowa que representa desde 2002. Perda de influência na Câmara dos Representantes após afirmações polémicas dita afastamento do político que ainda se tentou agarrar a um elogio de Donald Trump.

Iémen: o lado esquecido do mundo

ONU pedia 2,4 mil milhões de dólares à conferência de doadores, mas os países envolvidos não conseguiram ir além dos 1,35 mil milhões. A guerra civil e a Covid-19 deixaram 28 milhões de pessoas desesperadas. Entretanto Riade e Teerão prometem não deixar a guerra.

Rede social Snapchat vai deixar de promover mensagens de Donald Trump

A empresa da rede social Snapchat, popular entre os jovens, acusou o Presidente dos EUA de incitar à “violência racial”, anunciando que deixará de promover as mensagens da conta de Donald Trump.
Comentários