Quem são os maiores exportadores nacionais

O Jornal Económico solicitou ao INE o ranking das empresas que mais venderam para o exterior no ano passado e faz um retrato destes grupos.

A aceleração económica em Portugal começou há um ano e evoluiu para um crescimento de 2,8% no primeiro trimestre deste ano. Este desempenho no início do ano foi conseguido graças ao dinamismo das exportações de bens e serviços, cuja taxa de crescimento foi superior à das importações. Mas quais são as empresas que sustentam o setor exportador? O Jornal Económico solicitou o ranking de maiores exportadores de 2016 ao Instituto Nacional de Estatística (INE) e faz-lhe um retrato dos grupos que ocupam os cinco lugares cimeiros nesta lista, onde a energia, o papel, o automóvel e componentes estão em relevo. Este ranking tem apenas um “problema”: alguns dos principais exportadores são simultaneamente dos principais importadores do país, já que utilizam fornecimentos do estrangeiro para assegurar a produção.

 1. Petróleos de Portugal – Petrogal, SA

Esta empresa do grupo Galp é responsável pela refinação de petróleo bruto e seus derivados, e também pelo transporte, distribuição e comercialização dos combustíveis da petrolífera. A refinaria da Petrogal em Sines é hoje o mais pujante motor das exportações portuguesas, com a empresa a ocupar o primeiro lugar na lista de exportadores do INE, referente ao ano passado. Contudo, esta sociedade é simultaneamente o maior importador do país, já que a matéria-prima – o petróleo bruto – é proveniente do exterior.

 

2. Navigator Tissue Ródão, SA

The Navigator Company é a marca herdeira do património do ex-grupo Portucel Soporcel, desde Fevereiro de 2016. O grupo de produção de papel está em segundo lugar no ranking do INE, sendo o líder europeu na produção de papéis finos de impressão e escrita não revestidos (UWF) e o sexto a nível mundial. É também o maior produtor europeu, e o quinto a nível mundial, de pasta branqueada de eucalipto BEKP – Bleached Eucalyptus Kraft Pulp. Ao contrário da Galp, não está na lista de maiores importadores.

 

3. Volkswagen Autoeuropa, Lda

A fábrica em Portugal do grupo alemão Volkswagen ocupou durante anos o lugar de maior exportador nacional, chegando a representar 11% das vendas de bens do país ao exterior, no final dos anos 90 e início do século. A quebra de produção face a esses máximos históricos fez diminuir o peso na economia nacional. Ainda assim, a fábrica está em terceiro lugar e atingiu no ano passado um volume de vendas superior a 1,5 mil milhões de euros e as perspectivas a médio prazo são positivas, com a chegada de um novo modelo no terceiro trimestre deste ano. Mas, por usar muitas peças automóveis de fornecedores estrangeiros, a empresa de Palmela é também um dos principais importadores do país – ocupa o segundo lugar neste ranking, atrás da Galp.

 

4. Continental Mabor – Indústria de Pneus, SA

O grupo multinacional de fabrico de pneus tem um complexo em Lousado, Famalicão, de onde exporta para todo o mundo. Está no país há mais de 25 anos e continua a investir no aumentod a cpacidade de produção. No início do ano, a empresa anunciou que, até ao final de 2018, iria investir mais 150 milhões de euros no país: 50 milhões para arrancar com uma unidade de produção de pneus agrícolas em Lousado e 100 milhões na expansão da actual fábrica de pneus ligeiros.

 

5. Bosch Car Multimedia Portugal, SA

A marca alemã desenvolve em Portugal produtos e soluções para entretenimento, navegação, telemática e de apoio à condução. É de uma fábrica em Braga que saem auto-rádios, GPS e outros sistemas da Bosch que equipam as principais marcas de automóveis mundiais. Mais de 200 engenheiros trabalham nesta unidade, onde uma das principais competências é produzir Unidades de Controlo de Conectividade – dispositivos que conectam o veículo à internet, permitindo a utilização de funcionalidades como a eCAll no caso de acidente ou bCall em caso de avaria. De novo a constatação: a Bosch Car Multimedia é também um dos maiores importadores do país.

Ler mais

Recomendadas

Ministério da Agricultura antecipa pagamento dos fundos comunitários

O Ministério da Agricultura vai antecipa os pagamentos como forma de financiar o setor desde já. Entretanto, começou a apoiar os agricultores a escoarem os seus produtos nos mercados locais e lançou uma campanha destinada a promover o seu consumo.

A (outra) hora da Europa?

Ao longo do tempo, cada nação europeia pensou-se como “Europa que baste”, ou humanidade que baste, no pior dos casos. A identidade europeia foi sempre utopia, mas é raro as utopias serem inúteis.

Incentivos a fundo perdido e agilização de pagamentos. CIP apresenta plano extraordinário para apoiar economia

Numa carta enviada ao Governo e Presidente da República, a CIP sugere que as garantias do Estado sejam convertidas em incentivos a fundo perdido para as pequenas e médias empresas (PME), a agilização de pagamentos entre empresas e a revisão do regime de insolvências.
Comentários