Quem são os maiores exportadores nacionais

O Jornal Económico solicitou ao INE o ranking das empresas que mais venderam para o exterior no ano passado e faz um retrato destes grupos.

A aceleração económica em Portugal começou há um ano e evoluiu para um crescimento de 2,8% no primeiro trimestre deste ano. Este desempenho no início do ano foi conseguido graças ao dinamismo das exportações de bens e serviços, cuja taxa de crescimento foi superior à das importações. Mas quais são as empresas que sustentam o setor exportador? O Jornal Económico solicitou o ranking de maiores exportadores de 2016 ao Instituto Nacional de Estatística (INE) e faz-lhe um retrato dos grupos que ocupam os cinco lugares cimeiros nesta lista, onde a energia, o papel, o automóvel e componentes estão em relevo. Este ranking tem apenas um “problema”: alguns dos principais exportadores são simultaneamente dos principais importadores do país, já que utilizam fornecimentos do estrangeiro para assegurar a produção.

 1. Petróleos de Portugal – Petrogal, SA

Esta empresa do grupo Galp é responsável pela refinação de petróleo bruto e seus derivados, e também pelo transporte, distribuição e comercialização dos combustíveis da petrolífera. A refinaria da Petrogal em Sines é hoje o mais pujante motor das exportações portuguesas, com a empresa a ocupar o primeiro lugar na lista de exportadores do INE, referente ao ano passado. Contudo, esta sociedade é simultaneamente o maior importador do país, já que a matéria-prima – o petróleo bruto – é proveniente do exterior.

 

2. Navigator Tissue Ródão, SA

The Navigator Company é a marca herdeira do património do ex-grupo Portucel Soporcel, desde Fevereiro de 2016. O grupo de produção de papel está em segundo lugar no ranking do INE, sendo o líder europeu na produção de papéis finos de impressão e escrita não revestidos (UWF) e o sexto a nível mundial. É também o maior produtor europeu, e o quinto a nível mundial, de pasta branqueada de eucalipto BEKP – Bleached Eucalyptus Kraft Pulp. Ao contrário da Galp, não está na lista de maiores importadores.

 

3. Volkswagen Autoeuropa, Lda

A fábrica em Portugal do grupo alemão Volkswagen ocupou durante anos o lugar de maior exportador nacional, chegando a representar 11% das vendas de bens do país ao exterior, no final dos anos 90 e início do século. A quebra de produção face a esses máximos históricos fez diminuir o peso na economia nacional. Ainda assim, a fábrica está em terceiro lugar e atingiu no ano passado um volume de vendas superior a 1,5 mil milhões de euros e as perspectivas a médio prazo são positivas, com a chegada de um novo modelo no terceiro trimestre deste ano. Mas, por usar muitas peças automóveis de fornecedores estrangeiros, a empresa de Palmela é também um dos principais importadores do país – ocupa o segundo lugar neste ranking, atrás da Galp.

 

4. Continental Mabor – Indústria de Pneus, SA

O grupo multinacional de fabrico de pneus tem um complexo em Lousado, Famalicão, de onde exporta para todo o mundo. Está no país há mais de 25 anos e continua a investir no aumentod a cpacidade de produção. No início do ano, a empresa anunciou que, até ao final de 2018, iria investir mais 150 milhões de euros no país: 50 milhões para arrancar com uma unidade de produção de pneus agrícolas em Lousado e 100 milhões na expansão da actual fábrica de pneus ligeiros.

 

5. Bosch Car Multimedia Portugal, SA

A marca alemã desenvolve em Portugal produtos e soluções para entretenimento, navegação, telemática e de apoio à condução. É de uma fábrica em Braga que saem auto-rádios, GPS e outros sistemas da Bosch que equipam as principais marcas de automóveis mundiais. Mais de 200 engenheiros trabalham nesta unidade, onde uma das principais competências é produzir Unidades de Controlo de Conectividade – dispositivos que conectam o veículo à internet, permitindo a utilização de funcionalidades como a eCAll no caso de acidente ou bCall em caso de avaria. De novo a constatação: a Bosch Car Multimedia é também um dos maiores importadores do país.

Ler mais

Recomendadas

Tribunal de Contas acusa ministério de Centeno de falta de liderança na reforma das Finanças Públicas

O Tribunal de Contas alerta que quatro projetos que deveriam ter sido concluídos no primeiro semestre de 2019 não foram ainda iniciados no âmbito da implementação da Lei de Enquadramento Orçamental. Recomenda mais meios, assim como estabelecer melhor hierarquia nas prioridades dos projetos.

Confederações patronais querem alargar a mais PME taxa reduzida de IRC

Atualmente beneficiam desta taxa reduzida de IRC as empresas com matéria coletável até 15 mil euros e as duas confederações vão propor que esse limite suba para os 50 mil euros já no Orçamento do Estado para 2020 (OE2020).

COP25: CEDEAO quer mobilizar 80 milhões para agricultura climaticamente sustentável

A Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) quer mobilizar, na COP25, em Madrid, 80 milhões de dólares em fundos para o seu mecanismo de financiamento a projetos de agricultura climaticamente sustentáveis.
Comentários