Quer reclamar de uma instituição de crédito? Saiba o que fazer

Qualquer consumidor que seja cliente de uma instituição de crédito pode reclamar de se considerar que a atuação da mesma foi inadequada ou lesiva dos seus interesses.

Qualquer consumidor que seja cliente de uma instituição de crédito pode reclamar de se considerar que a atuação da mesma foi inadequada ou lesiva dos seus interesses. Como a supervisão das instituições de crédito é matéria da competência do Banco de Portugal o consumidor deve dirigir a sua reclamação a esta entidade.

Assim, pode apresentá-la de duas formas:

  • De forma indireta, através do preenchimento do livro de reclamações da instituição reclamada, obrigatório em todos os balcões e que deve ser disponibilizado logo que o consumidor o solicite. O original da reclamação é remetido no prazo de 15 dias ao Banco de Portugal, o duplicado fica com o consumidor e o triplicado permanece na instituição de crédito.

ou

  • Diretamente, através de carta dirigida ao Banco de Portugal (Apartado 2240, 1106-001 Lisboa), ou do preenchimento do formulário online. Ao reclamar online através do Portal do Cliente Bancário ser-lhe-á atribuída uma referência que deve ser anotada para posterior consulta do estado da reclamação.

Em qualquer dos casos, convém que o consumidor formule a reclamação em linguagem clara e a transmita de forma completa, para que a entidade reguladora possa analisar devidamente a reclamação. No formulário de reclamação online o consumidor pode ainda anexar documentação que considere útil à fundamentação da sua queixa.

Após a receção da sua queixa, o Banco de Portugal analisará a reclamação, verificando o cumprimento das normas que regulam a atividade das instituições de crédito. Nesta altura, a entidade reguladora responde ao consumidor, identificando a conclusão a que chegou após a fiscalização da atuação da instituição sujeita à sua supervisão.

Nos casos em que são detetadas irregularidades, o Banco de Portugal exige às instituições de crédito a correção de incumprimentos e sanciona faltas graves, através de coima. Porém, essa coima não compensa as perdas que o consumidor possa ter sofrido, a reparação de danos deve ser exigida nos tribunais ou através do recurso a meios de resolução extrajudicial de litígios.

Salientamos que nem todas as matérias podem ser objeto de reclamação no Banco de Portugal. Exemplificando:

Nos conflitos relacionados com fundos de investimento e valores mobiliários, a autoridade competente é a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM);

Nas questões de seguros e fundos de pensões, a autoridade competente é a Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões (ASF);

A denúncia sobre a cordialidade do atendimento das instituições deve ser apresentada na própria instituição de crédito.

Informe-se bem aqui.

Ler mais
Recomendadas

Deutsche Bank terá emprestado 2 mil milhões de dólares a Donald Trump durante 20 anos

Antes de ser eleito, foram concedidos pelo banco alemão empréstimos no valor 2 mil milhões de dólares a Donald Trump. O relatório do ”New York Times” avança que estas cedências foram feitas num espaço de duas décadas.

Rui Rio diz que auditoria ao Novo Banco deve incluir atual gestão

Presidente do PSD ressalvou que incluir a atual gestão do Novo Banco na auditoria “não quer dizer que haja desconfianças” sobre a forma como a instituição está a ser gerida. Mas que os contribuintes portugueses “exigem uma clarificação”.

Serralves e Gulbenkian no mapa cultural do Bankinter

Fundador de Serralves desde 2019, o Bankinter anuncia também o apoio à exposição “Cérebro, mais vasto que o céu”, organizada pela Fundação Calouste Gulbenkian.
Comentários