Quinta da Lagoalva aposta na energia solar

A Quinta da Lagoalva de Cima vai instalar onze sistemas fotovoltaicos no terreno com uma potência total de 1,35 MW, ocupando uma área de 36.496 metros quadrados. A produtora de vinho, azeite, cortiça, cereais, horto-industriais e do cavalo lusitano vai conseguir assim uma produção energética anual de cerca de dois mil MWh e evitar emissões anuais […]

Foto cedida

A Quinta da Lagoalva de Cima vai instalar onze sistemas fotovoltaicos no terreno com uma potência total de 1,35 MW, ocupando uma área de 36.496 metros quadrados.

A produtora de vinho, azeite, cortiça, cereais, horto-industriais e do cavalo lusitano vai conseguir assim uma produção energética anual de cerca de dois mil MWh e evitar emissões anuais de 620 toneladas de CO2 (dióxido de carbono).

O fornecimento e instalação desta central foi da responsabilidade da Ikaros-Hemera, empresa especialista neste sector.

“O investimento foi feito pela Grow Solar UPP, sob o aconselhamento da Grow Energy Management, e permite à Quinta da Lagoalva de Cima uma autonomia energética de 123% face aos consumos dos locais onde foram instalados estas centrais solares. Isto significa que estas instalações possibilitam à exploração agrícola ter um balanço energético positivo, conseguindo produzir energia elétrica própria 23% acima das suas necessidades de consumo”, explica um comunicado da desta empresa do setor agroalimentar, que destaca o “ganho de competitividade muito significativa nos produtos comercializados pela Quinta da Lagoalva” desta forma conseguido.

Miguel Holstein Campilho, administrador da empresa, sublinha a importância deste projecto: “É muito satisfatório ter na Quinta da Lagoalva de Cima um modelo que nos permite produzir energia 100% limpa e finalmente conseguirmos um balanço energético positivo no desenvolvimento da nossa atividade. Isto permite-nos ir ao encontro do que nos é exigido por cada vez mais clientes que é de terem fornecedores verdadeiramente sustentáveis e com uma consciência ambiental forte.”

Por seu turno, Duarte Caro de Sousa, diretor-geral da Ikaros-Hemera, acrescenta que este “é mais um projeto concluído com sucesso e com vantagens para ambas as partes”.

“Com a instalação dos sistemas solares fotovoltaicos, por um lado, a Quinta da Lagoalva de Cima reduzirá os custos com a eletricidade e consegue descarbonizar ainda mais a sua atividade e por outro, conseguimos identificar e desenvolver para a entidade investidora, a Grow Energy Management, uma oportunidade de investimento alternativa com rentabilidades acima das normais alternativas no setor financeiro para o mesmo nível de risco. Até ao momento este é o maior projeto que desenvolvemos numa exploração agrícola”, destaca o referido responsável

O investimento, cujo valor não foi divulgado, foi suportado pela Grow Energy Management.

Os sócios explicam a sua motivação no investimento: “A Grow Energy Management está extremamente satisfeita com este projeto em parceria com a Quinta da Lagoalva de Cima e a Ikaros-Hemera, não só pelo facto da energia solar fotovoltaica ser financeiramente viável como também por ser um investimento em energia limpa e confiável.”

“O número crescente de empresas no sector agrícola e vitivinícola a apostar neste tipo de sistemas energéticos mostra a tendência do sector agrícola em investir em medidas sustentáveis, amigas do ambiente e que permitem a produção de energia própria”, conclui o citado comunicado.

Ler mais

Recomendadas

Leia aqui o Jornal Económico desta semana

Leia todas as edições do Jornal Económico, na plataforma JE Leitor. Aproveite as nossas ofertas para assinar o Jornal Económico. Apoie o jornalismo independente.

Governo anuncia linha de crédito de 50 milhões para microempresas de gestão de eventos

Os 50 milhões de euros foram anunciados pelo ministro da Economia no Parlamento, num exemplo de uma das áreas que, não sendo óbvia, enfrenta enormes dificuldades por orbitar em torno de um setor muito condicionado pela pandemia, o turismo. 20% dos 50 milhões de euros desta linha poderá passar a fundo perdido caso empresas mantenham o emprego no próximo ano.

Fórum para a Competitividade prevê queda do PIB até 12% este ano

Para o próximo ano, a entidade liderada por Pedro Ferraz da Costa antevê uma recuperação do PIB entre 5% e 6%.
Comentários