Quinze “cidadãos comuns” querem melhorar relação entre sociedade e políticos

As recomendações resultaram do primeiro Fórum dos Cidadãos, que decorreu no fim de semana de 7 e 8 de janeiro e vão ser entregues na terça-feira, ao Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

Quinze “cidadãos comuns”, de diferentes idades, níveis de educação e oriundos de diversas regiões do país, vão entregar, na terça-feira, ao Presidente da República, propostas sobre como melhorar a comunicação entre cidadãos e os políticos que os representam, informa a Lusa.

As recomendações resultaram do primeiro Fórum dos Cidadãos, que decorreu no fim de semana de 7 e 8 de janeiro, em Lisboa, e onde estes cidadãos – oito mulheres e sete homens com ocupações profissionais diferentes – debateram várias propostas com o objetivo de “revigorar a democracia portuguesa”.

Ao longo do fim de semana foram contempladas “muitas ideias diferentes” e debatidos “vários temas, diferentes soluções, para o problema de como é que o cidadão comum pode ser mais ouvido e como se pode fazer ouvir melhor junto do poder político”, disse à agência Lusa Manuel Arriaga, promotor da iniciativa e autor do livro ‘Reinventar a Democracia’.

Esta iniciativa, explicou o professor universitário, surgiu como “uma tentativa de dar a ouvir uma voz diferente dos cidadãos”.

O objetivo é dar “uma voz informada e refletida, onde um conjunto de cidadãos comuns estuda uma questão, ouve palestras por especialistas, pensa a fundo um tema e no final apresenta as suas propostas sobre o que poderia ser feito a respeito dos grandes temas com que nos deparamos hoje em dia”, sublinhou.

Na terça-feira, os quinze cidadãos, representativos da sociedade portuguesa, vão entregar a Marcelo Rebelo de Sousa cinco recomendações concretas para melhorar a comunicação entre cidadãos e os representantes eleitos, adiantou Manuel Arriaga, escusando-se a avançar o conteúdo das propostas.

As propostas vão ser o tema da “audiência com o Presidente da República” e da sessão pública que decorre no mesmo dia na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, onde “os quinze cidadãos vão apresentar eles próprios as propostas que elaboraram”, adiantou.

Para Manuel Arriaga, a sessão pública é “uma oportunidade muito interessante para todos aqueles que dão por si, com frequência, a lamentar a desconexão, a desligação, entre o cidadão e o mundo da política”.

Na apresentação pública das recomendações vão estar presentes o vice-presidente da Assembleia da República, Jorge Lacão, bem como apoiantes do Fórum dos Cidadãos, entre eles o conselheiro de Estado Eduardo Lourenço, o antigo candidato presidencial Henrique Neto, e os ex-ministros David Justino, Margarida Mano e Manuel Maria Carrilho.

 

 

 

Ler mais
Recomendadas

Bloco de Esquerda faz ‘contra-cimeira’ e critica “liberalismo europeu bastante extremado”

A contra-cimeira organizada pelo Bloco de Esquerda, que contou com a presença do Partido da Esquerda Europeia, acontece no mesmo dia em que decorre a cimeira social dos líderes europeus no Porto. 

António Guterres promete ser “construtor de pontes” em segundo mandato à frente da ONU

Único candidato formal a secretário-geral das Nações Unidas, por ter sido o único a ser nomeado por um Estado-membro (Portugal) e a ser validado pelo Conselho de Segurança da ONU, António Guterres apresentou-se esta sexta-feira à Assembleia Geral.

Ursula von der Leyen: “Não deveria importar ser-se homem ou mulher. Salário igual para trabalho igual” (com áudio)

A presidente da Comissão Europeia afirmou esta sexta-feira, na sessão de abertura da Cimeira Social, no Porto, que a UE tem uma “economia humana”, mas realçou que a pandemia veio mostrar a necessidade de dar respostas sociais.
Comentários