Médias dos alunos do secundário estão mais altas. Veja aqui o ranking das escolas

Dois colégios privados, um do Porto, outro de Braga surgem à cabeça dos que mais se distinguiram-se nos exames de 2019. As primeiras escolas públicas são a Infanta D. Maria, em Coimbra e Básica e Secundária Dr. Serafim Leite, em São João da Madeira. Filosofia ficou em terreno negativo.

O Jornal Económico publica a lista das escolas secundárias, tendo em conta os resultados alcançados pelos alunos nos exames nacionais e provas finais nas escolas de norte a sul do País, das regiões autónomas da Madeira e dos Açores.

Os dados da Direção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciência/Júri Nacional de Exames, disponibilizados pelo Ministério da Educação ao primeiro minuto do dia 27 de junho, respeitam ao ano letivo passado: 2019, antes da crise da pandemia da Covid-19, que levou à suspensão, em março de 2020, das aulas presenciais e à sua substituição temporária pelo ensino a distância, que pôs a nu enormes desigualdades entre os alunos.

O ranking das escolas é um indicador de performance dos exames e como tal deve ser interpretado. O cômputo geral dos exames dos alunos do secundário em 2019 é positivo: as notas melhoraram em relação a 2018. Nas escolas públicas, a média foi de 10.95 valores e nos colégios foi de 12,69 valores. A melhoria geral das classificações, aumentou também o número de estabelecimentos de ensino com média positiva: 410 num universo de 514 escolas, contra 104 com média negativa.

À cabeça da lista surgem a Academia de Música de Santa Cecília, em Lisboa, o Colégio Nossa Senhora do Rosário, no Porto, seguindo-se o Colégio D. Diogo de Sousa, em Braga. Nos lugares cimeiros surgem também dois grandes colégios de Lisboa: Salesianos e Moderno. A primeira escola pública é a Secundária Infanta D. Maria, em Coimbra, e surge no 34.º lugar do ‘ranking’. Pouco depois surge também a Escola Básica e Secundária Dr. Serafim Leite, em São João da Madeira.

Uma análise efetuada pela agência Lusa conclui que das 17 disciplinas analisadas, apenas Filosofia registou média negativa (9,76 valores). Matemática B, Desenho A, Espanhol e Geometria Descritiva A lideraram a lista pelo lado das melhores médias com a primeira disciplina a obter 14,63 valores e as restantes com médias na casa dos 13 valores.

Já as disciplinas que levaram mais alunos a exame aparecem a meio da tabela: a média das mais de 55 mil provas a Português foi de 11,84 valores (7.ª melhor nota), seguindo-se os mais de 33 mil exames de Matemática A com uma média de 11,52 valores (9.º lugar no ‘ranking’). Física e Química A foi a terceira disciplina com mais exames realizados – mais de 26 mil – e a média das provas foi de 10,04 valores, sendo por isso a última disciplina com média positiva no ano passado.

Ler mais
Relacionadas

Ranking do 9º ano: Notas melhoram, mas escolas ainda estão no ‘vermelho’

Os dados disponibilizados pelo Ministério da Educação revelam que as notas dos exames nacionais do 9.º melhoraram, mas a maioria das escolas ainda tem nota negativa.

Secundária de Felgueiras é a mais bem sucedida do país. Este é o “ranking do sucesso”, escola a escola

Este ranking analisa a percentagem de alunos que concluíram o secundário sem qualquer chumbo e notas positivas nos dois exames das disciplinas trienais. Mostra uma realidade mais consistente em que o sucesso é avaliado pelo percurso do aluno e não apenas pelas notas dos exames, como acontece com o ranking geral das escolas.
Recomendadas

Matrículas só são obrigatórias para alunos que começam novo ciclo

Ministério da Educação decidiu mudar as regras face às dificuldades sentidas nas últimas semanas por pais e encarregados de educação. Site das matrículas até foi alvo de ataques informáticos.

Ministério da Educação dá vínculo a mais 872 professores

A Direção-Geral da Administração Escolar publicou esta terça-feira, 7 de julho, as listas definitivas do concurso externo de professores que pode consultar aqui. O número candidatos voltou a subir, passando de 34 mil, em 2019, para quase 37 mil em 2020.

Perdas até 21 mil milhões. Universidades britânicas em risco de declarar insolvência devido à Covid-19

Sem identificar, o estudo da IFS conclui que as universidades mais prestigiadas terão mais probabilidades de sobreviver aos impactos da crise pandémica. Antecipam-se perdas que podem chegar a 21 mil milhões de euros.
Comentários