Raríssimas: Ex-presidente só sai com “indemnização e subsídio de desemprego”

Paula Brito e Costa mantém-se à frente da unidade de cuidados da Casa dos Marcos e recusa-se a sair a menos que seja despedida com “o pagamento da respetiva indemnização e subsídio de desemprego”.

Apesar de ter formalizado esta quinta-feira a sua demissão como presidente da associação Raríssimas, Paula Brito e Costa mantém-se na direção da Casa dos Marcos, um projeto de assistência a pacientes que se localiza na Moita, tal como avança o Expresso.

De acordo com a edição online do jornal Expresso, Paula Brito e Costa pretende manter-se a trabalhar no projeto e só admite sair após despedimento e respetivo pagamento de indemnização e subsídio de desemprego.

“Se não me quiserem, então vamos ter de chegar a acordo”, referiu a ex-presidente da Raríssimas ao Expresso. E esse “despedimento” implica “o pagamento da respetiva indemnização e o subsídio de desemprego”, afirmou ao Expresso.

Relacionadas

Raríssimas: Ex-presidente mantém acesso às contas e cartão de crédito

Ex-presidente da Raríssimas continua a trabalhar na associação, apresentado-se agora como diretora-geral, de acordo com informação avançada pela SIC Notícias.

Raríssimas: Ex-presidente continua na associação, agora como diretora-geral

A SIC avança que Paula Brito e Costa mantém-se a exercer funções na Raríssimas e identifica-se como diretora-geral.

Raríssimas: Paula Brito e Costa já apresentou demissão

A associação vai realizar a uma nova assembleia geral “nos primeiros dias de janeiro” para designar os novos membros.
Recomendadas

Infarmed suspende medicamentos com ranitida para azia e úlceras

O Infarmed vai proceder à recolha das embalagens e refere que o motivo para a recolha do fármaco prende-se com a detecção de uma impureza na substância activa ranitidina.

Bruxelas avalia até final do ano “caminho a seguir” contra ‘fake news’

A Comissão Europeia vai decidir, até final do ano, qual “o caminho a seguir” para combater as notícias falsas na União Europeia, avaliando se as medidas voluntárias existentes são suficientes ou se será necessária legislação, revelou fonte comunitária.

Dia Nacional de Limpeza de Praia: Plástico ainda não desapareceu dos areais

As mentalidades estão a mudar, alguns comportamentos também, mas nas praias continuam a existir beatas, palhinhas, cotonetes e, só no ano passado, uma iniciativa de recolha permitiu juntar 1,5 toneladas de plástico.
Comentários