Reações a ‘tweet’ sobre morte de Sindika Dokolo forçam Ana Gomes a “explicitar que lamenta a tragédia”

“Estranho. Muito estranho…” foi o comentário da candidata presidencial às circunstâncias da morte do marido de Isabel dos Santos, que sucumbiu a uma embolia quando fazia mergulho no Dubai.

Cristina Bernardo

A candidata presidencial Ana Gomes recorreu na tarde desta sexta-feira à sua conta de Twitter para “explicitar que lamenta a tragédia” da morte do empresário congolês Sindika Dokolo, marido da empresária angolana Isabel dos Santos, reconhecendo que um comentário que fez na véspera, precisamente na mesma rede social, “merece reprovação a muita gente”.

Na noite de quinta-feira, a antiga eurodeputada socialista partilhou um tweet de outra pessoa, que por sua vez partilhava uma notícia sobre a morte de Sindika Dokolo, que terá sucumbido a uma embolia quando fazia mergulho no Dubai, juntando-lhe o seguinte comentário: “Morreu o Sindika Dokolo, afogado no mar. Morreu offshore, portanto. Irónico.” A isto, Ana Gomes acrescentou, por seu turno, referindo-se à causa de morte: “Estranho, muito estranho…”

Pouco demorou até a candidata presidencial ser criticada por enveredar em teorias da conspiração, com a maioria das reações ao tweet a serem muito negativas. “Sinto vergonha alheia em ter esta senhora como suposta candidata à presidência do meu país. Ganhe noção!”, “tenha por uma vez, respeito pela família e amigos numa situação de dor”, “isto que insinua nunca seria feito por um estadista ou alguém com responsabilidades” e “demonstra não ter estatura nem espinha dorsal” foram alguns dos comentários mais violentos, ainda que alguns seguidores da conta de Twitter tenham elogiado a frontalidade de antiga eurodeputada, desde há muito empenhada na denúncia dos negócios de Isabel dos Santos.

Aliás, horas antes de ser revelada a morte de Sindika Dokolo, a candidata presidencial partilhara um tweet da Transparência Internacional que indicava o escândalo LuandaLeaks como a demonstração de que a empresária angolana, filha do ex-presidente José Eduardo dos Santos, fez fortuna graças a negócios facilitados pela corrupção. “Os advogados, banqueiros, consultores, etc, que ajudam ladrões e ladras como Isabel dos Santos a roubar, a branquear o produto do roubo, parqueando-o e investindo-o no estrangeiro e no país, pagando o mínimo de impostos onde quer que seja, chamam-se como: ladrões ou santinhos???” E também então foi criticada pela forma como qualificou Isabel dos Santos no dia em que morreu o seu marido.

O conflito entre Ana Gomes e Isabel dos Santos passou da opinião pública para os tribunais quando a empresária interpôs uma providência cautelar para que a ex-eurodeputada apagasse do Twitter uma publicação na qual defendeu que a angolana se endividava muito “porque, ao liquidar as dívidas, ‘lava-se que se farta’”. Foi dada razão à atual candidata presidencial, considerando-se que não ultrapassara os limites da liberdade de expressão.

Ler mais
Recomendadas

Acidente de Borba: Instrução do processo da derrocada da estrada começa hoje em Évora

O antigo diretor regional de Economia do Alentejo João Filipe de Jesus, a funcionária da Direção-Geral de Energia e Geologia (DGEG) Maria João Figueira e o responsável técnico da empresa que possui a licença de exploração da pedreira Paulo Alves foram outros dos acusados que requereram abertura da instrução.

Justiça espanhola condena construtora do presidente do Real Madrid por “cláusulas abusivas”

A construtora Cobra, presidida por Florentino Pérez, foi condenada pela aplicação de até quatro cláusulas que consideradas abusivas e que o juiz garantiu constituirem uma série de prazos com o objetivo de atrasar os pagamentos prometidos para além dos 60 dias previstos em lei para o pagamento de fornecedores no caso do setor privado (30 dias para empresas público).

Supremo Tribunal de Justiça rejeita reclamações dos juízes Rangel e Fátima Galante

Os antigos juízes do Tribunal da Relação de Lisboa são arguidos no processo-crime Operação Lex, tendo, por deliberação do Conselho Superior da Magistratura sido sancionados com uma demissão e a aposentação compulsiva, decisões das quais recorreram.
Comentários