‘Rebranding’ ao fim de 293 anos. Royal Bank of Scotland muda de nome

Alison Rose afirmou que este é o momento certo para fazer uma mudança e alterar o nome do RBS, que já data 293 anos. No entanto, as agências bancárias, como o Ulster Bank, na Irlanda do Norte, do RBS vão manter o nome.

O Royal Bank of Scotland (RBS) vai mudar o nome da instituição financeira, no final de 2020 para NatWest Group, segundo informações avançadas pela CEO do RBS Alison Rose à Bloomberg.

Alison Rose afirmou que este é o momento certo para fazer uma mudança e alterar o nome do RBS, que já data 293 anos. No entanto, as agências bancárias, como o Ulster Bank, na Irlanda do Norte, do RBS vão manter o nome.

O presidente do RBS Howard Davies também já se manifestou e concorda com a mudança. “Se olharmos para o grupo 80% dos nossos clientes conhecem-nos por NatWest”, afirmou Howard Davies. “Não faz sentido continuarmos a ter o nome de RBS, que foi um nome desenhado para um grupo global de bancos, algo que já não temos”, acrescentou.

Para além da mudança de nome, o RBS anunciou ainda que duplicou o lucro, em 2019, para 3.759 milhões de euros, face ao ano anterior. Os ativos totais situaram-se no final de 2019 em 867.000 milhões de euros, enquanto os depósitos dos clientes atingiram os 443.040 milhões de euros

O banco, que foi resgatado durante a crise do crédito hipotecário há 11 anos, prevê a devolução de 720 milhões de euros, ainda este ano, ao Governo escocês.

Recomendadas

Lucros do Bankinter caíram 42% para 317 milhões em 2020

O resultado líquido do Grupo Bankinter em 2020 foi de 317,1 milhões de euros, menos 42,4% do que em 2019, devido a 242,5 milhões de provisões Covid-19. Em Portugal resultado cai 31%, mas o crédito subiu 7% e os recursos 6%.

Morgan Stanley regista lucro e receita acima do esperado no quarto trimestre

A receita, por sua vez, subiu de 10,9 mil milhões de dólares nos últimos três meses de 2019 para 13,6 mil milhões nos meses de outubro a dezembro do ano passado, superando as previsões dos analistas.

BEI mobiliza 50 mil milhões de euros para ajudar PME no primeiro semestre

O Banco Europeu de Investimento (BEI) planeia mobilizar cerca de 50.000 milhões de euros de financiamento no primeiro semestre para ajudar as PME através do novo fundo de garantia criado para lidar com as consequências da pandemia, foi anunciado.
Comentários