Receita com propinas aumentou 76,5% com atual lei

Os dados mostram que, em 2017, foram cobrados 330,1 milhões de euros, o que corresponde a um aumento de 76,5% das receitas, num período de apenas 12 anos, avança o jornal “Público”.

A receita com propinas arrecadada pelas universidades e politécnicos públicos mais do que duplicou com a entrada em vigor da atual lei do financiamento do ensino superior, em 2003. Os dados mostram que, em 2017, foram cobrados 330,1 milhões de euros, o que corresponde a um aumento de 76,5% das receitas com propinas, num período de apenas 12 anos, avança o jornal “Público”.

Os dados mais antigos disponíveis dizem respeito a 2005, ano em que as receitas das instituições de ensino superior com propinas chegaram aos 187 milhões de euros. Já em 2017, foram cobrados 330,1 milhões de euros, o número mais elevado de sempre. Esta subida deve-se ao facto de, nos primeiros anos da aplicação da nova lei “apenas uma minoria de instituições colocou a propina máxima”, o que se veio a tornar-se uma prática recorrente nos anos seguintes, com o corte nas transferências do Orçamento de Estado.

Em todo o país, há sete universidades e politécnicos que cobram o valor máximo de propina (1063,47 euros anuais), incluindo as universidades de Coimbra, Aveiro e todas as instituições de Lisboa. Em conjunto, representam um quarto da rede pública de ensino superior.

Recomendadas

Fisco restitui coimas do ViaCTT

No regime anterior, um contribuinte que fosse obrigado a aderir à ViaCTT e não o fizesse atempadamente estaria sujeito ao pagamento de uma coima que poderia ir dos 50 aos 250 euros.

CDS marca debate de atualidade sobre gestão da CGD: “Governo tem papel pouco ativo no apuramento dos factos”

Em declarações ao Jornal Económico, o porta-voz do CDS, João de Almeida, defende que “há aqui também uma responsabilidade do Banco de Portugal, já que há um conjunto de funções enquanto supervisor que continuou a estar fora de detetar e a tempo útil”.

PCP avança com lei de programação de investimento para os estabelecimentos do SNS

“Fruto do subfinanciamento crónico do SNS, muitos hospitais e centros de saúde estão confrontados há vários anos com a necessidade de fazer investimentos”, alertam os deputados comunistas, propondo uma lei de programação plurianual de investimento.
Comentários