Receita com propinas aumentou 76,5% com atual lei

Os dados mostram que, em 2017, foram cobrados 330,1 milhões de euros, o que corresponde a um aumento de 76,5% das receitas, num período de apenas 12 anos, avança o jornal “Público”.

A receita com propinas arrecadada pelas universidades e politécnicos públicos mais do que duplicou com a entrada em vigor da atual lei do financiamento do ensino superior, em 2003. Os dados mostram que, em 2017, foram cobrados 330,1 milhões de euros, o que corresponde a um aumento de 76,5% das receitas com propinas, num período de apenas 12 anos, avança o jornal “Público”.

Os dados mais antigos disponíveis dizem respeito a 2005, ano em que as receitas das instituições de ensino superior com propinas chegaram aos 187 milhões de euros. Já em 2017, foram cobrados 330,1 milhões de euros, o número mais elevado de sempre. Esta subida deve-se ao facto de, nos primeiros anos da aplicação da nova lei “apenas uma minoria de instituições colocou a propina máxima”, o que se veio a tornar-se uma prática recorrente nos anos seguintes, com o corte nas transferências do Orçamento de Estado.

Em todo o país, há sete universidades e politécnicos que cobram o valor máximo de propina (1063,47 euros anuais), incluindo as universidades de Coimbra, Aveiro e todas as instituições de Lisboa. Em conjunto, representam um quarto da rede pública de ensino superior.

Recomendadas

Transportes públicos no Médio Tejo com reduções de pelo menos 40%

A redução vai abranger não só os transportes públicos dentro da região, mas também na ligação a regiões vizinhas (Lezíria, Leiria, Coimbra e Beira Baixa) e os que são usados nas ligações pendulares a Lisboa, incidindo nos passes normais e jovens.

Rui Rio acusa Costa de pôr à frente “as relações pessoais e não exatamente a competência”.

Para Rui Rio, o Governo, liderado pelo socialista António Costa, “põe à frente, em muitas circunstâncias, as relações pessoais e não exatamente a competência”.

Steve Bannon e as eleições europeias: “Quanto mais participação houver, maior será a vitória do movimento populista”

Antigo conselheiro de Trum, ideólogo da nova extrema-direita e mentor de Bolsonaro e dos espanhóis do Vox, Bannon considera possível que 30% do próximo parlamento europeu seja populista.
Comentários