Receita com propinas aumentou 76,5% com atual lei

Os dados mostram que, em 2017, foram cobrados 330,1 milhões de euros, o que corresponde a um aumento de 76,5% das receitas, num período de apenas 12 anos, avança o jornal “Público”.

A receita com propinas arrecadada pelas universidades e politécnicos públicos mais do que duplicou com a entrada em vigor da atual lei do financiamento do ensino superior, em 2003. Os dados mostram que, em 2017, foram cobrados 330,1 milhões de euros, o que corresponde a um aumento de 76,5% das receitas com propinas, num período de apenas 12 anos, avança o jornal “Público”.

Os dados mais antigos disponíveis dizem respeito a 2005, ano em que as receitas das instituições de ensino superior com propinas chegaram aos 187 milhões de euros. Já em 2017, foram cobrados 330,1 milhões de euros, o número mais elevado de sempre. Esta subida deve-se ao facto de, nos primeiros anos da aplicação da nova lei “apenas uma minoria de instituições colocou a propina máxima”, o que se veio a tornar-se uma prática recorrente nos anos seguintes, com o corte nas transferências do Orçamento de Estado.

Em todo o país, há sete universidades e politécnicos que cobram o valor máximo de propina (1063,47 euros anuais), incluindo as universidades de Coimbra, Aveiro e todas as instituições de Lisboa. Em conjunto, representam um quarto da rede pública de ensino superior.

Recomendadas

Brexit: saída sem acordo é praticamente inevitável

Saída de Theresa May da chefia do governo britânico e da frente de negociações do Brexit mudará alguma coisa? Aparentemente não, até porque o seu sucessor só pode ser da linha dura dos conservadores. E Bruxelas já não quer saber do assunto para nada.

Fórum do BCE de ‘despedida’ de Draghi esta segunda-feira em Sintra

O último Fórum do Banco Central Europeu (BCE) com Mario Draghi na liderança começa na segunda-feira, em Sintra, e decorre até quarta-feira, sob o mote dos 20 anos da zona euro.

Catarina Martins quer que PS aprove “valorização salarial”

Catarina Martins salientou que “os salários em Portugal são baixos demais no setor público como no setor privado”, observando que o crescimento da economia “não é acompanhado por um crescimento proporcional dos salários”, o que provoca “desigualdades crescentes de rendimentos”.
Comentários