Receita fiscal pode crescer um bilião de dólares até 2025 se economias desenvolvidas controlarem o vírus

Fundo Monetário Internacional sublinha a importância da campanha de vacinação, talvez “o projeto público com o maior retorno alguma vez identificado”, como descreve Vítor Gaspar, numa altura em que as medidas de apoio fizeram disparar os défices dos países mais desenvolvidos.

O crescimento económico resultante de uma situação pandémica controlada poderá levar a ganhos de mais de um bilião de dólares (840,3 mil milhões de euros) em receitas fiscais no conjunto das economias desenvolvidas até 2025, antecipa o Fundo Monetário Internacional (FMI), que reforça assim a importância das campanhas de vacinação nacionais.

O fundo aponta para a necessidade de se coordenarem esforços globais e de se executar agilmente os planos de vacinação de cada país face aos ganhos que a inoculação em massa representa, defendendo que esta “se pagará a si mesma”, como se pode ler no documento referente às previsões orçamentais para a economia global (Fiscal Monitor).

O órgão destaca, por um lado, para o aumento das receitas fiscais face à recuperação económica nos países mais desenvolvidos, mas também para a poupança que o recuo nas atuais medidas de apoio às empresas e famílias representará.

“A vacinação global pode muito bem ser o projeto público com o maior retorno alguma vez identificado”, destaca o diretor do Departamento de Assuntos Fiscais do fundo, Vítor Gaspar.

Estas sugestões ganham uma importância acrescida numa altura em que o défice global das economias mais avançadas do mundo mais que quadruplicou, passando de 2,9% do PIB em 2019 para 11,7% em 2020.

Simultaneamente, o FMI relembra que muitas multinacionais têm conseguido nos últimos anos evitar impostos, aproveitando-se de vários mecanismos para distribuir lucros pelas suas subsidiárias e pelos vários mercados em que opera.

Pegando no exemplo do digital, que experienciou uma expansão considerável desde a chegada da pandemia, o fundo defende uma realocação de parte dos impostos sobre lucros para os mercados onde operam estas firmas, ecoando a sugestão de um grupo de trabalho criado pela OCDE para o efeito. Este teria o potencial de aumentar entre 0,25% e 0,5% as receitas fiscais corporativas globais, sublinham os organismos.

Ler mais
Relacionadas

Vítor Gaspar defende aumento de impostos para ajudar na recuperação económica pós-Covid

O antigo ministro das Finanças e atual diretor do Departamento de Assuntos Fiscais do FMI sublinha a relevância de uma medida deste género na noção de coesão social, visto que têm sido os trabalhadores com menores rendimentos e os mais jovens que têm suportado os maiores custos da pandemia.
Recomendadas

Macau suspende encomenda da vacina da AstraZeneca

Na semana passada, também Hong Kong pediu à AstraZeneca para suspender a sua encomenda da vacina contra a covid-19 por receio de efeitos secundários e preocupações sobre a eficácia contra novas variantes do coronavírus.

Centros comerciais, retalho e restauração reforçam medidas para reabertura “com total confiança”

As três associações APED, APCC e AHRESP garantem que estão reunidas todas as condições para a salvaguarda da saúde pública e da segurança dos seus clientes, fornecedores e trabalhadores para a reabertura destes espaços comerciais prevista para 19 de abril próximo.

Mora em Lisboa? Pode fazer dois testes gratuitos à Covid-19 por mês

A Câmara Municipal de Lisboa alargou o plano de testagem massiva a todos os residentes na cidade. A partir de amanhã, os testes rápidos chegam a todos e não apenas a quem vive nas freguesias de maior risco. Há mais de 90 farmácias aderentes.
Comentários