Reciclagem atinge valor mais alto de sempre na produção da indústria papeleira europeia

No ano passado, das 90 milhões de toneladas de papel e cartão produzidas na Europa, 54,6% foram feitas a partir de fibras recicladas.

O contributo da reciclagem como matéria-prima da indústria papeleira atingiu o valor mais alto de sempre na Europa em 2019.

No ano passado, das 90 milhões de toneladas de papel e cartão produzidas na Europa, 54,6% foram feitas a partir de fibras recicladas. A taxa de utilização de papel reciclado na indústria papeleira subiu 1,5% face a 2018 e atingiu o valor mais alto de sempre. Um marco histórico que acompanha o crescimento da taxa da reciclagem de papel, que aumentou para os 72%, face aos 71,7% em 2018″, assinala um comunicado da CELPA, a associação portuguesa da indústria papeleira.

Luís Veiga Martins, secretário-geral da CELPA, sublinha que “estes resultados são excecionais e confirmam o empenho e o compromisso na sustentabilidade, na promoção da economia circular, quer dos consumidores quer da indústria”.

“Ambos estão sintonizados na importância da reciclagem, adoptando comportamentos que permitem resultados históricos”, garante este responsável.

Os dados compilados pela CEPI – Associação Europeia da Indústria Papeleira mostram ainda que 84,2% da madeira consumida pela indústria é de origem europeia, o que faz da produção de papel e de cartão um produto
verdadeiramente ‘Made in Europe’.

“Sendo de salientar que da madeira utilizada, 24% é também ela proveniente de fontes circulares, nomeadamente
resíduos de serralharias e outras indústrias que têm na madeira a sua matéria-prima”, destaca o referido comunicado.

A produção dos associados da CEPI, em que se inclui a portuguesa CELPA e associações similares de mais 17 de países europeus, “manteve-se estável no ano passado, demonstrando uma posição robusta nos mercados de destino”.

Segundo a CELPA, “da produção total, 22% destina-se a mercados fora da Europa”, acrescentando que “no segmento pasta, a produção cresceu 6,1% em 2019, fruto de avultados investimentos para aumentar a sua capacidade e as exportações dispararam 48%”.

Luís Veiga Martins avisa, no entanto, que “nos primeiros cinco meses deste ano, e devido ao impacto da pandemia Covid-19, a produção de papel e cartão recuou 4,5%, ainda assim um valor relativamente pequeno, face à queda de
20,4% do conjunto das indústrias transformadoras”.

“O efeito da Covid-19 na indústria da pasta e do papel foi menos pronunciado do que noutros setores devido à resiliência intrínseca da nossa área”, realça este responsável.

De acordo com o comunicado da CELPA, “no ano passado, o consumo de papel e de cartão caiu ligeiramente na
sequência do abrandamento da economia na União Europeia, contudo, a  procura doméstica por produtos de higiene em papel manteve-se relativamente alta nos primeiros meses deste ano e o segmento das embalagens também
está a beneficiar do aumento do comércio electrónico”.

O secretário-geral da CELPA revela que “a pandemia pode trazer novas oportunidades, por exemplo, no segmento da embalagem”.

“Mudanças nos modelos de produção são expectáveis, já que a atual crise expôs a falta de resiliência da economia europeia. Neste sentido, aumentar a produção industrial na Europa será um fator positivo para o sector papeleiro”, considera Luís Veiga Martins.

“No período de confinamento, a prioridade da indústria papeleira foi garantir que os produtos, nomeadamente alimentares, de saúde e de higiene, chegavam aos consumidores. A indústria da pasta e do papel esteve a trabalhar em pleno e articulou-se com as restantes indústrias para garantir a segurança e transporte apesar das restrições impostas pelo confinamento”, revela o comunicado da CELPA.

Mas os responsáveis da associação alertam que, “já este ano, o desempenho do setor vai sofrer o impacto da contração económica do PIB [Produto Interno Bruto], tanto na União Europeia como na Zona Euro, e que a
Comissão Europeia estima em -8,3% e -8,7%, respetivamente”.

“No entanto, para o próximo ano a economia da União Europeia já deverá crescer 5,8% e a da Zona Euro 6,1%, o que permite uma perspectiva positiva para a indústria do papel e do cartão”, conclui o comunicado da CELPA.

Ler mais
Recomendadas

Marques Mendes diz que CGD liderará sindicato bancário para financiar o Novo Banco

Luís Marques Mendes, revelou este domingo que a injeção do Fundo de Resolução no Novo Banco vai ser possível através do empréstimo de um sindicato bancário, que será liderado pela CGD. O comentador revelou que não houve qualquer conversa entre o BCP e o Governo para uma fusão com o Montepio. O JE confirmou que Miguel Maya não falou com João Leão sobre uma integração do Banco Montepio.

Premium“Construtoras nacionais apenas ficam com 20% das obras públicas”, diz bastonário da Ordem dos Engenheiros

O desinvestimento em pessoas e equipamentos ao longo dos últimos anos foi tão grande que apenas 20% das obras públicas lançadas ficam em empresas portuguesas, afirma Carlos Mineiro Aires.

Miguel Albuquerque diz que “a Madeira vai ultrapassar efeitos devastadores no turismo”

O presidente do Governo da Madeira mostrou-se este domingo convicto de que a região vai conseguir superar “mais este grande desafio” dos “efeitos devastadores” no setor do turismo provocado pela pandemia da covid-19.
Comentários