Reciclagem em Portugal aumenta 7% no primeiro semestre

Quanto ao lixo comum/doméstico, o relatório registou uma diminuição homóloga de 3% entre janeiro e junho, motivada pela queda drástica do turismo, pouca atividade comercial, deslocação das populações para concelhos próximos em teletrabalho e pela diminuição de recolha de monos.

A reciclagem em Portugal registou um aumento de 7% comparativamente ao primeiro semestre do ano passado. A conclusão vem no relatório da EGF, empresa do grupo Mota-Engil/Urbaser, responsável pelo tratamento e valorização de resíduos urbanos em 174 municípios nacionais.

Os dados recolhidos são divididos em dois períodos dado que os números do primeiro semestre são marcados pela pandemia. De acordo com o documento, nos dois primeiros meses do ano, as empresas registavam aumentos muito significativos de recolha seletiva, na ordem dos 19%. Com a pandemia e confinamento, os números do primeiro semestre mostram que a receção de resíduos indiferenciados diminuiu 3%, mas que, ainda assim, a recolha seletiva, ou reciclagem, aumentou 7%.

Quanto ao lixo comum/doméstico, o relatório registou uma diminuição de 3%, mas com diferenças significativas entre empresas que cresceram e outras que decresceram face ao período homólogo de 2019. Estas diferenças são explicáveis pela diminuição drástica do turismo, pouca atividade comercial, deslocação das populações para concelhos próximos em teletrabalho e pela diminuição de recolha de monos.

“Analisados os números do primeiro semestre da EGF, pode-se afirmar que no início de 2020 se antecipava um ano de maior crescimento da reciclagem em Portugal, mas essa evolução está a ser condicionada pela pandemia por Covid-19”, lê-se na nota divulgada.

O documento acrescenta ainda que este crescimento da recolha seletiva, que se antecipava maior antes da pandemia, “resulta de um programa de elevado investimento realizado (…) pelo Programa Operacional de Sustentabilidade e Eficiência no Uso dos Recursos (POSEUR), e à prioridade dada à atividade de recolha seletiva de resíduos de embalagens, remodelação e modernização de infraestruturas e em campanhas de sensibilização junto da população, que se traduziram numa participação efetiva e crescente dos cidadãos aos hábitos de reciclar”.

As empresas EGF que registaram os maiores crescimentos foram a Amarsul (33%), a Suldouro (25%) e a Resinorte (23%).

Ler mais
Recomendadas

Coca Cola aposta no plástico reciclado para as suas embalagens PET

A CuRe tem o potencial de apoiar a Coca-Cola na Europa Ocidental no seu objetivo de eliminar o PET virgem de origem fóssil das suas embalagens durante a próxima década, o que ajudará a eliminar a utilização de mais de 200 mil toneladas de PET virgem por ano.

Portugal Space abre candidaturas para programa de deteção de plástico nos oceanos

As inscrições decorrem até outubro e a melhor proposta de investigação recebe até 500 mil euros. O concurso está aberto a entidades nacionais e internacionais, estando estas últimas obrigadas a trabalhar em estreita cooperação com as instituições portuguesas, que deverão ser líderes de projecto ou, em alternativa, estabelecendo atividade em Portugal.

Repsol produz pela primeira vez biocombustível para aviões

A petrolífera espanhola também desenvolverá alternativas que permitirão obter combustível para aeronaves a partir de resíduos, avançando no compromisso de ser uma empresa com zero emissões líquidas de CO2 em 2050.
Comentários