Recuperação do indicador de sentimento económico na zona euro acentua-se em junho

O sentimento económico subiu na maioria das economias da zona euro, nomeadamente em França (+9,4 pontos), Holanda (+8,3), Espanha e Itália (ambas +8,2) e na Alemanha (+6,6).

A recuperação do indicador de sentimento económico na zona euro acentuou-se em junho, seguindo tendência iniciada no mês anterior, fixando-se em 75,5 pontos, revela o Inquérito às Empresas e aos Consumidores, publicado pela Comissão Europeia, esta segunda-feira.

Segundo os resultados do inquérito da Direcção-Geral dos Assuntos Económicos e Financeiros da Comissão Europeia, o indicador de sentimento económico registou uma subida de 8,2 pontos na média dos países da moeda única e 8,1 pontos na União Europeia, para 74,8, recuperando cerca de 30% das perdas registadas em março e abril.

Na zona euro, a recuperação foi impulsionada por “aumentos significativos na confiança” em todos os setores de negócios, incluindo indústria, serviços, comércio a retalho e construção, assim como entre os consumidores. “Isto contrasta com o mês passado, em que apenas a confiança da indústria e do consumidor melhorou significativamente”, refere o relatório.

O sentimento económico subiu na maioria das economias da zona euro, nomeadamente em França (+9,4 pontos), Holanda (+8,3), Espanha e Itália (ambas +8,2) e na Alemanha (+6,6).

Os dados revelam ainda que o indicador de expectativas de emprego também melhorou significativamente pelo segundo mês consecutivo, ao subir 12,7 pontos para 82,8 na zona euro e 11,9 pontos para 82,7 na União Europeia.

 

Ler mais

Recomendadas

Governo quer Banco de Fomento a funcionar no final do ano

O governante considerou o dia de hoje como “importante” para Portugal, dada a aprovação, por parte da Comissão Europeia, da criação do Banco Português de Fomento (BPF), no âmbito dos auxílios de Estado.

“Mercados em Ação”: Assista ao programa desta semana

Acompanhe o “Mercados em Ação” no site e nas redes sociais do Jornal Económico. E reveja-o através da plataforma multimédia JE TV.

UTAO: Reembolso de dívida pública previsto para 2021 a 2030 ainda soma 150 mil milhões

A UTAO diz que o valor da dívida direta do Estado registada no final do 1.º semestre de 2020 foi superior ao observado no final de junho de 2019, maioritariamente em resultado do aumento do “stock” de dívida titulada de médio e longo prazos. E avisa que o volume de reembolsos de títulos de dívida pública a MLP, previsto para os anos 2021 a 2030, permanece bastante elevado.
Comentários