Recursos qualificados são vitais para a transformação digital em Portugal

O estudo “Maturidade Digital das Empresas em Portugal”, da EY e da Nova SBE, revela que 41% das organizações portuguesas já iniciou o seu processo de digitalização – contudo, os investimentos no digital ainda estão a descurar as vertentes de pessoas e organização, a gestão de informação, a estratégia e a liderança.

A consultora Ernst & Young (EY) lançou, em parceria com a Nova School of Business and Economics (Nova SBE), um estudo que analisa os níveis de maturidade digital e de confiança das empresas portuguesas em relação ao futuro digital. O estudo revela que os empresários reconhecem que os impactos da transformação digital são fortes e imediatos e que é urgente agir.

O relatório “Maturidade Digital das Empresas em Portugal” mostra que as organizações reconhecem que a transformação digital está a criar oportunidades para a proliferação de novos produtos, serviços e modelos de negócio, mas conclui que os investimentos em digital ainda estão a descurar as vertentes de pessoas e organização, a gestão de informação, a estratégia e a liderança – uma realidade que pode criar riscos a médio prazo.

O estudo da EY e da Nova SBE revela que 41% dos inquiridos já iniciou o seu processo de digitalização. Para muitas empresas, o momento em que começaram a investir nesta área parece estar associado a uma avaliação positiva da sua maturidade digital face à dos seus concorrentes. No entanto, o facto de esta visão otimista ser generalizada na amostra pode indicar desconhecimento da situação real dos concorrentes ou que a comparação está a ser feita essencialmente com outras empresas nacionais.

A percepção é significativamente diferente entre setores, com as empresas de Media (76%) e Energia (64%) a serem as mais confiantes quanto à sua posição actual de liderança face aos concorrentes e quanto à capacidade de manterem esse avanço no futuro. Já no da Saúde, 72% das empresas assumem que estão atrasadas ou a par dos concorrentes, mas 86% estão confiantes em que recuperarão desse atraso.

No que respeita ao grau de implementação das diferentes tecnologias associadas à revolução digital, a escolha das empresas portuguesas vai para as redes sociais e marketing digital (mais de 75% das respostas indicam um grau de implementação de 4 ou 5, numa escala de 1 a 5), o cloud computing (65%), Big Data e Analytics (61%) e Internet of Things (ligeiramente acima de 50%).

Salienta-se que um número muito pequeno de empresas, significativamente abaixo dos 10% da amostra, indica ter em fase avançada de implementação projectos relacionados com impressão 3D, computação quântica, condução autónoma ou blockchain, por exemplo.

Finalmente, a dimensão estratégia e liderança mostram avaliações muito díspares entre segmentos de atividade: as empresas do setor energético apresentam uma visão mais positiva – a generalidade avalia de forma muito positiva o seu nível de desenvolvimento nas vertentes de inovação, gestão da mudança e estratégia de digitalização -, com mais de 70% das respostas acima do ponto médio.

A generalidade das empresas faz uma avaliação pouco positiva quanto ao nível de desenvolvimento da sua estratégia de digitalização, com os resultados mais favoráveis a caberem aos setores da Energia e Financeiro, em que respectivamente 27 e 22% das empresas avalia a sua estratégia digital com a pontuação máxima.

PCGuia
Ler mais
Recomendadas

CCA Ontier tem nova coordenadora de Contencioso

A CCA Ontier anuncia a nomeação da advogada Catarina Limpo Serra como associada coordenadora do departamento de Contencioso.

Bloco de Esquerda avança com projeto de regulação das relações laborais na advocacia

Projeto de lei entregue hoje na Assembleia da República visa garantir que “as relações laborais no âmbito da advocacia são desenvolvidas dentro da legalidade, através de um contrato de trabalho reduzido a escrito, aplicando-se o Código do Trabalho ao início, ao conteúdo e à cessação dessas relações laborais”.

Quem pode auditar os créditos do Novo Banco? PwC auditou em 2017, EY em 2018 e KPMG tem legado do BES

Qual é a auditora que tem independência para avaliar os créditos do Novo Banco? Depois da KPMG, da PwC e da EY, só resta a Deloitte das “Big Four” para fazer a grande auditoria aos créditos do banco desde os tempos do BES que os políticos pediram.
Comentários