Recusa do plano de paz de Trump une Hamas, Fatah e Jihad Islâmica

Grupos rivais por vezes em guerra aberta entre si convergiram na recusa em aceitar o plano de paz para o Médio Oriente. Não é uma boa notícia para Israel, que sempre apostou na divisão das várias fações da Palestina.

Milhares de palestinianos protestaram em toda a Faixa de Gaza contra o plano de paz de Donald Trump para o Médio Oriente e poara o conflito entre Israel e a Palestina. As manifestações começaram um dia antes de o plano ser dado a conhecer na Casa Branca – onde o primeiro-ministro israelita Benjamin Netanyaho se encontrava, ao lado de Trump – e continuaram depois.

Tal como o mundo árabe tinha dito em antecipação, a Palestina não concorda com o plano e Trump pode mesmo ter feito algo que não estava nos seus projetos: durante as manifestações, o Hamas, que governa a Faixa de Gaza, expressou raro apoio ao presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, do movimento rival Fatah.

Um alto funcionário do Hamas, Khalil al-Hayya, disse, citado pelo jornal ‘The Times of Israel’ que a sua organização e “todas as facções” se juntariam na reunião pfrevista para depois do anúncio do plano de paz de Trump e que todas elas permaneceriam unidas. “Quando estamos unidos, nem Netanyahu nem Trump se atrevem a tirar nossos direitos”. A Jihad Islâmica também anunciou que participa da reunião peromovida por Abbas, que, recorde-se, se recusou a analisar a proposta de Trump.

Ora, esta união pode ser uma péssima notícia para Israel – que sempre fomentou a discórdia entre os diversos grupos palestinianos que pretendem a construção de uma Palestina independente. E essa falta de união foi sempre uma das garantias de que a posição palestiniana estaria sempre em posição de fraqueza em relação a Israel.

Os protestos disseminaram-se por várias geografias da Faixa de Gaza, incluindo Rafah, o campo de refugiados de Bureij, e em vários pontos ao longo da fronteira com Israel. Os militares israelitas tinham preparado, desde o anúncio do plano na Casa Branca, um dispositivo de segurança para fazer frente a qualquer onda de violência que viesse dos territórios palestinianos. Por outro lado, Israel convocou tropas extras para o Vale do Jordão, na Cisjordânia, que Netanyahu prometeu anexar – no que é apoiado pelo líder da oposição, Benjamin Gantz.

Recomendadas

Banco Mundial responsabiliza vacinação desigual por recuperação económica a dois tempos

A diretora-geral do Banco Mundial, Ngozi Okonjo-Iweala, afirmou este sábado, numa conferência à margem da cimeira do G7, que a distribuição desigual de vacinas vai ter impacto na recuperação económica mundial, em especial em África e na América Latina. 

Brexit. Boris Johnson “não hesitará” em suspender acordo por causa da Irlanda do Norte

UE e Reino Unido estão em conflito aberto porque este último tomou medidas unilaterais para mitigar o impacto da introdução de controlos aduaneiros na circulação de algumas mercadorias, como produtos alimentares frescos, o que levou a Comissão Europeia a levantar um processo de infração em março. 

G7. Líderes acordaram lançar plano de infraestruturas para combater projeto da China

A proposta dos EUA visa mobilizar capital do sector privado para promover projetos em quatro áreas: clima, segurança sanitária, tecnologia digital e igualdade de género, além de contar com investimentos de instituições financeiras.
Comentários