Recusa do plano de paz de Trump une Hamas, Fatah e Jihad Islâmica

Grupos rivais por vezes em guerra aberta entre si convergiram na recusa em aceitar o plano de paz para o Médio Oriente. Não é uma boa notícia para Israel, que sempre apostou na divisão das várias fações da Palestina.

Milhares de palestinianos protestaram em toda a Faixa de Gaza contra o plano de paz de Donald Trump para o Médio Oriente e poara o conflito entre Israel e a Palestina. As manifestações começaram um dia antes de o plano ser dado a conhecer na Casa Branca – onde o primeiro-ministro israelita Benjamin Netanyaho se encontrava, ao lado de Trump – e continuaram depois.

Tal como o mundo árabe tinha dito em antecipação, a Palestina não concorda com o plano e Trump pode mesmo ter feito algo que não estava nos seus projetos: durante as manifestações, o Hamas, que governa a Faixa de Gaza, expressou raro apoio ao presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, do movimento rival Fatah.

Um alto funcionário do Hamas, Khalil al-Hayya, disse, citado pelo jornal ‘The Times of Israel’ que a sua organização e “todas as facções” se juntariam na reunião pfrevista para depois do anúncio do plano de paz de Trump e que todas elas permaneceriam unidas. “Quando estamos unidos, nem Netanyahu nem Trump se atrevem a tirar nossos direitos”. A Jihad Islâmica também anunciou que participa da reunião peromovida por Abbas, que, recorde-se, se recusou a analisar a proposta de Trump.

Ora, esta união pode ser uma péssima notícia para Israel – que sempre fomentou a discórdia entre os diversos grupos palestinianos que pretendem a construção de uma Palestina independente. E essa falta de união foi sempre uma das garantias de que a posição palestiniana estaria sempre em posição de fraqueza em relação a Israel.

Os protestos disseminaram-se por várias geografias da Faixa de Gaza, incluindo Rafah, o campo de refugiados de Bureij, e em vários pontos ao longo da fronteira com Israel. Os militares israelitas tinham preparado, desde o anúncio do plano na Casa Branca, um dispositivo de segurança para fazer frente a qualquer onda de violência que viesse dos territórios palestinianos. Por outro lado, Israel convocou tropas extras para o Vale do Jordão, na Cisjordânia, que Netanyahu prometeu anexar – no que é apoiado pelo líder da oposição, Benjamin Gantz.

Recomendadas

Liberais lançam ideia inédita para decidir novo governo da Alemanha

Enquanto esperam por saber que vencerá as eleições deste domingo, os alemães estão a assistir ao avolumar de alternativas de governo. A mais inesperada vem do FDP, que sugere negociações com os Verdes para ambos os partidos decidirem se fazem uma aliança com sociais-democratas ou democrata-cristãos.

Alemanha: quais são as coligações que chegam ao número mágico de 366 lugares?

Os alemães já se habituaram a viverem sob coligações de geometria variável. Perante eles, estão várias possibilidades para a formação de um governo com maioria absoluta, que se consegue a partir dos 366 lugares dos 730 disponíveis no Bundestag. Só então Angela Merkel poderá abandonar o poder.

Alemanha: Primeiras previsões deixam CDU e SPD empatados

Pelas projeções iniciais, SPD e CDU estarão próximos na eleição federal alemã. Verdes ficam aquém das expectativas, mas conseguem passar a ser o terceiro partido do parlamento, à frente dos liberais do FDP.
Comentários