Rede de monitorização da qualidade do ar recebeu 5,6 milhões de euros de investimento em dez anos

De acordo com o Ministério do Ambiente, “a rede de monitorização da qualidade do ar nacional é constituída por 68 estações e cumpre com as orientações e diretrizes da União Europeia”.

A rede de monitorização da qualidade do ar em Portugal recebeu investimentos de 5,6 milhões de euros nos últimos dez anos, de acordo com um comunicado do Ministério do Ambiente e da Ação Climática.

“Portugal possui uma Estratégia Nacional para o Ar 2020 (ENAR 2020), documento que se encontra neste momento em revisão, visto o horizonte temporal da presente Estratégia terminar no final de 2020. Os contributos da Auditoria do Tribunal de Contas à Qualidade do Ar, hoje divulgados, serão naturalmente tidos em conta na versão revista da ENAR 2020, cuja conclusão está prevista para novembro de 2020”, adianta o referido documento.

De acordo com o Ministério do Ambiente, “a rede de monitorização da qualidade do ar nacional é constituída por 68 estações e cumpre com as orientações e diretrizes da União Europeia”.

“A rede tem vindo a ser modernizada ao longo dos últimos dez anos, com significativo investimento público (comunitário e nacional)”, garante esta nota.

Segundo os responsáveis do Ministério do Ambiente, “além dos 3,4 milhões de euros referidos na Auditoria, referentes ao período 2010-2017, o Fundo Ambiental financiou em um milhão de euros a expansão da rede, entre 2018 e 2019”.

“Este esforço de modernização é mantido em 2020, com uma verba do Fundo Ambiental de 240 mil euros para apoiar as CCDR [Comissões de Coordenação e Desenvolvimento Regional], entidades responsáveis pela Rede de Monitorização da Qualidade do Ar. Acresce que no orçamento de 2020 da Agência Portuguesa do Ambiente foram também inscritos 180 mil euros especificamente para a gestão da qualidade do ar. Além dos valores do Fundo Ambiental para o período 2018-20, deverá igualmente ser contabilizado o financiamento comunitário associado à modernização da rede, a partir de 2017. Assim, em 10 anos foram realizados ou estão previstos investimentos que totalizam mais de 5,6 milhões de euros na rede de monitorização da qualidade do ar”, prossegue o comunicado em questão.

O Ministério do Ambiente recorda que os dados de monitorização da qualidade do ar estão disponíveis ‘online’ e em tempo real (https://qualar.apambiente.pt/), acrescentando que esta rede foi financiada com fundos provenientes do Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos e inclui uma aplicação para telemóvel.

“O Ministério do Ambiente e da Ação Climática está igualmente empenhado em desenvolver projetos na vertente educacional associada a estas temáticas. Em 2020, estão previstos, via Fundo Ambiental, cerca de 500 mil euros para apoio a projetos de Educação Ambiental com enfoque na qualidade do ar”, revela o documento em análise.

O ministério liderado por João Pedro Matos Fernandes sublinha que “várias são as medidas deste ministério relativas à mobilidade sustentável – apoios à aquisição de veículos elétricos, investimentos em transportes públicos e promoção da mobilidade ativa – que muito contribuem para a redução das emissões do transporte rodoviário, principal fonte de emissões poluentes.

“Por exemplo, segundo os últimos dados conhecidos, o programa de redução de preços dos passes permitiu uma redução dos níveis de dióxido de azoto de 29%, na Área Metropolitana de Lisboa, entre o 2º semestre de 2018 e o 2º semestre de 2019. Aliás, as reduções das emissões de dióxido de azoto foram generalizadas em todo o país, com variações entre os 21% e os 31%”, conclui o comunicado do Ministério do Ambiente.

Ler mais
Recomendadas

Nasce na Universidade de Coimbra drone ‘low cost’ para combater lixo marinho

Segundo os investigadores, estas tecnologias permitem identificar, de forma rápida, determinadas categorias de lixo marinho que aparecem na costa portuguesa.

Corticeira Amorim integra grupo de subscritores do act4nature Portugal

Esta é uma ação lançada pelo Business Council for Sustainable Development Portugal (BCSD) que pretende sensibilizar, mobilizar e incentivar as empresas a proteger, promover e restaurar a biodiversidade.

Matos Fernandes participa em debates sobre sustentabilidade e ‘smart cities’

Esta iniciativa insere-se no âmbito do ciclo de conferências ‘Empowering Sustainable Growth’.
Comentários