Rede internacional de cabeleireiros critica promoção de “prestação de serviços de beleza ao domicílio”

A Jean Louis David, impedida de trabalhar devido às proibições decretadas pelo Governo durante o confinamento geral, “não considera aceitável que esta situação possa existir”, referindo-se à publicação do estudo que aborda o aumento da procura por estes serviços fornecidos em domiciliário.

A rede internacional de cabeleireiros Jean Louis David insurgiu-se contra um estudo publicado pela plataforma OLX na passada sexta-feira, na qual este mostrava uma crescente procura por serviços de cabeleireiro durante o confinamento. A marca adianta ainda que “já apresentou uma queixa formal às autoridades competentes” para tentar combater a ilegalidade.

A marca de cabeleireiros “vem manifestar o seu profundo desagrado e desaprovação por plataformas online, como o OLX, promoverem prestação de serviços de beleza ao domicílio em período de confinamento geral”, lê-se no comunicado emitido esta segunda-feira pela empresa.

A rede de cabeleireiros, atualmente impedida de trabalhar devido às proibições decretadas pelo Governo durante o confinamento geral, “não considera aceitável que esta situação possa existir”, referindo-se à publicação do estudo que aborda o aumento da procura por estes serviços fornecidos em domiciliário.

“Considera ainda que não é possível que o OLX seja conivente com a marcação de serviços de cabeleireiro e estética ao domicílio em período de confinamento geral, que como é do conhecimento público tem tido um impacto sem precedente a nível social e económico, incluindo no sector dos cabeleireiros”, indica a marca em comunicado.

A Jean Louis David, uma das maiores cadeia de cabeleireiros em Portugal, relembra que “existem muitos salões e profissionais da área dos cabeleireiros que mantêm com esforço as suas obrigações fiscais, cumprindo todas as normas de segurança estabelecidas pela DGS”. Atualmente todos estão de portas encerradas e a cumprir rigorosamente o confinamento geral, como tal não é para a marca admissível que situações como a que vieram a público sejam possíveis e que não haja uma fiscalização mais apertada e punição para estes casos”, lê-se ainda.

Em resposta à critica da rede internacional de cabeleireiros, a OLX indica ao Jornal Económico que “o objetivo deste estudo foi apenas fornecer uma análise aproximada sobre a evolução da procura, oferta e preço médio desses serviços, como qualquer outra análise de marketing que o OLX faz com as suas categorias”.

“O OLX é uma empresa que aposta na Responsabilidade Social e reconhece o seu propósito de contribuir para a sociedade através da promoção do comércio responsável na plataforma e da sua comunidade de utilizadores”, sustenta um porta-voz da plataforma, acrescentando que desde o início da pandemia que “o OLX se posicionou de forma a ajudar o setor empresarial português, nomeadamente as PME, assim como a enfrentar os novos desafios do novo quadro jurídico em vigor”.

O estudo em questão foi publicado no passado dia 26 de fevereiro pela plataforma OLX, tendo sido verificado um aumento de anúncios, pesquisas e respostas no segmento dos cabeleireiros, estética e massagens durante o confinamento, numa altura em que estes serviços se encontram encerrados.

[atualizada às 12:47]

Ler mais
Recomendadas

Novo Banco: Avaliadores não veem razões para mudanças de valores de imóveis em seis meses

O responsável, ouvido esta quinta-feira na audição do presidente da ANAI Ramiro Teixeira Gomes na Comissão Eventual de Inquérito Parlamentar às perdas registadas pelo Novo Banco e imputadas ao Fundo de Resolução, referia-se a “perdas de imparidades de uma instituição financeira, neste caso o Novo Banco, por via de ativos” imobiliários.

Cavaco lamenta “interpretações abusivas” acerca de declarações sobre BES

O antigo Presidente da República classificou de “intuitos pouco honestos” as declarações de quem fez “interpretações abusivas” das suas palavras sobre o BES antes da resolução, “chegando ao ponto de afirmar” que “tinha incentivado as aplicações em instrumentos financeiros do BES ou do respetivo grupo não financeiro”.

Sines vai arrancar com Data Centre Campus, um investimento que pode chegar a 3,5 mil milhões

A cerimónia de apresentação do projeto, que pode criar até 1.200 empregos qualificados e é da responsabilidade da empresa star campus, será encerrada pelo primeiro-ministro, António Costa.
Comentários