Redução de mais de 30 balcões do Montepio “ainda em estudo”, diz sindicato

O Banco Montepio quer ajustar rede de distribuição com a fusão de 31 balcões redundantes geograficamente Medida apanhou de surpresa os trabalhadores que poderão ser afetados com a redução de balcões. Mais Sindicato (ex-SBSI) diz que processo não está concluído e administração garantiu que diminuição de trabalhadores será “analisada caso a caso”.

O Banco Montepio quer ajustar rede de distribuição com a fusão de 31 balcões redundantes geograficamente. Objetivo: responder aos desafios do novo contexto devido à pandemia da Covid-19 e acelerar a digitalização, aumentando a eficiência da instituição. Medida apanhou de surpresa os trabalhadores que poderão ser afetados com a redução de balcões. Mas Mais Sindicato (ex-SBSI) garante que o processo não está concluído, pelo que ainda não estão definidos os balcões a encerrar, garantindo que diminuição de funcionários será analisada caso a caso.

“Eventual necessidade de diminuição de trabalhadores será analisada caso a caso. O banco adiantou ao Mais Sindicato e ao SBC [Sindicato dos Bancários do Centro] que em algumas funções as equipas precisam ser reforçadas”, avançou ao JE o presidente do Mais Sindicato, liderado por Rui Riso, realçando que “o Montepio tem tido uma prática de alguma tranquilidade nestes processos, sem reduções abrutas de balcões”. Mas alerta: “menos balcões significam sempre menos pessoas”.

Na sequência do pedido de reunião com caráter de urgência, cujo encontro se realizou na semana passada, a administração do Montepio recebeu o Mais Sindicato e o SBC, num encontro que teve a presença de Pedro Leitão, presidente da Comissão Executiva.

Segundo Rui Riso, a reunião teve por objetivo esclarecer se a anunciada eliminação de 10% da rede comercial do banco, através do encerramento de mais de três dezenas de agências, terá efeito nos trabalhadores.

“Face às interrogações dos sindicatos, a administração do banco explicou que a sua estratégia visa a otimização de espaços e recursos atendendo, nomeadamente, à proximidade geográfica de alguns balcões. Afirmou que a situação dos trabalhadores será visa caso a caso e não haverá uma redução abrupta do número de trabalhadores”, explica Rui Riso.

O sindicalista adianta que “o processo não está concluído, pelo que ainda não estão definidos os balcões a encerrar”, acrescentando que os sindicatos aguardam nova reunião.

Relativamente a eventuais consequências para os trabalhadores, o sindicato acrescenta “o Montepio garantiu que se houver necessidade de diminuir o número de efetivos analisará a situação caso a caso”.

Aos sindicatos o banco salientou que poderá haver pessoas a mais em algumas funções, mas noutras é necessário reforçar equipas, tendo avançado que esse estudo está a ser feito.

“A administração comprometeu-se a manter diálogo com o Mais Sindicato e o SBC, informando-os previamente da evolução do processo, bem como garantiu o respeito pelos direitos dos trabalhadores e o seu necessário acompanhamento”, conclui o Mais Sindicato.

Mil trabalhadores continuam em teletrabalho

Na reunião com o presidente do Banco Montepio, os sindicatos aproveitaram para esclarecer as regras de manutenção do teletrabalho, tendo o banco informado que cerca de mil trabalhadores continuam em regime de teletrabalho e até setembro o número máximo em trabalho presencial será de 25%.

“A administração adiantou que terá sempre em consideração e analisará atentamente todas as solicitações dos trabalhadores que pretendam manter-se nesse regime, nomeadamente por necessidades imperiosas de assistência a filhos e idosos ou por questões de saúde”, avança o Mais Sindicato.

Covid-19 precipita outras ações

Além do ajustamento da rede de balcões, com a fusão de 31 agências redundantes “devido à sua proximidade geográfica”, o Banco Montepio anunciou a 23 de junho aos trabalhadores, através de uma comunicação interna com o título “Ajustamento a um novo ciclo”, que vai avançar com outras ações. Na lista dessas iniciativas está o objetivo de robustecer o modelo de negócio, reforçando a aposta em produtos com maior valor acrescentado para o cliente, bem como acelerar a transição digital, tanto nos processos internos, como nas plataformas de relação com clientes e aumentar a eficiência, nomeadamente através da revisão dos processos e dos normativos internos.

Outras ações passam ainda por implementar novos conceitos e novas formas de trabalhar, que valorizem a colaboração e a flexibilidade, promovendo um maior equilíbrio entre a vida pessoal e profissional.

No comunicado enviado aos trabalhadores, a comissão executiva liderada por Pedro Leitão salienta mesmo que “quando a incerteza é o traço dominante do novo normal, a única certeza é a de que não vamos baixar os braços”, reforçando que o banco está trabalhar para construir um “Banco Montepio mais forte e mais sustentável, capaz de enfrentar o futuro”.

 

Ler mais

Recomendadas

PremiumQueda da população ativa pode impedir recuperação económica rápida

A taxa de desemprego desceu no segundo trimestre, mas o impacto da pandemia no turismo e o aumento da concorrência global na era do teletrabalho preocupam os especialistas consultados pelo JE.

Estigma com produtos da China e quebra de turistas deixam restaurantes chineses em crise

Os restaurantes chineses sofrem mais quebras no negócio do que os restaurantes nacionais devido ao estigma associado a produtos da China, país onde o novo coronavírus foi detetado pela primeira vez, e porque o turista asiático deixou de visitar Portugal.

Covid-19: Direção do consumidor emite quatro alertas no mesmo dia sobre máscaras

Quatro modelos de máscaras com insuficiente retenção de partículas no material filtrante foram na semana passada, num só dia, motivo de alertas da Direção-geral do Consumidor (DGC) e sistema europeu de alerta rápido para produtos não alimentares (Rapex).
Comentários