Reforço da queda das taxas de juros dá saúde a Wall Street

As ações no setor da saúde são as que mais valorizam um dia após as declarações de Jerome Powell perante o Congresso norte-americano. Corte nas taxas de juro no final de julho ganha cada vez mais força.

Reuters

A bolsa de Nova Iorque iniciou a sessão desta quarta-feira em território positivo, principalmente nas ações da área de saúde em foco, um dia após os principais índices de Wall Street terem atingido novos máximos, após as declarações do presidente do Banco Central norte-americano (Fed), Jerome Powell, que reforçou a probabilidade de um corte nas taxas de juros no final do mês de julho.

O tecnológico Nasdaq iniciou a sessão a valorizar 0,16% para 8.215,61 pontos, o alargado S&P 500 cresce 0,17% para 2.998,05 pontos, enquanto o industrial Dow Jones sobe 0,22%, para 26.917,96 pontos.

As ações das seguradoras de saúde, como a UnitedHealth e distribuidoras de medicamentos como a McKesson Corp, subiram entre 9,5% e 3,5%, respetivamente antes do mercado após um relatório retirado pela Administração Trump, cuja proposta passava por eliminar os descontos dos planos de drogas do Governo.

Já o índice de preços do consumidor (IPC), com exceção do setor da alimentação e energia, subiu 0,3% no mês de junho. De um modo geral o IPC subiu 0,1%, mantendo-se em linha com o aumento de maio, em comparação com as expetativas de o índice permanecer inalterado.

No primeiro dos dois dias de discurso perante o Congresso, Jerome Powell referiu que “a economia norte-americana ainda está ameaçada pela decepcionante atividade fabril, pela inflação e por uma guerra comercial”. Para a manhã desta quinta-feira nos Estados Unidos está marcada uma nova sessão.

Recomendadas

PSI 20 navega no ‘verde’ embalado pela Pharol e Sonae Capital

Praça lisboeta fechou a sessão desta terça-feira com uma ligeira subida de 0,03% para 5.261,51 pontos, seguindo a tendência das congéneres europeias.

BCE irá comprar 25 mil milhões de euros por mês de dívida da zona euro, estima Goldman Sachs

Goldman Sachs estima que o Banco Central Europeu invista até 225 mil milhões de euros em dívida. Entre os países mais beneficiados estarão Portugal, Espanha e Irlanda.

Resultados da banca puxam Nova Iorque para queda na abertura

O Goldman Sachs com bom registo no trading e lucros acima do esperado; o JP Morgan registou menos provisões o que ajudou a sustentar as contas do 2.ºtrimestre; e no Wells Fargo o ambiente de menores taxas de juro penaliza as contas. O dia de Wall Street é dedicado à banca.
Comentários