Reforma aos 63 anos na Alemanha gera mais custos do que o esperado por Merkel

Segundo um estudo do Ifo Institute for Economic Research, houve gastos adicionais com seguros de pensões, na ordem dos 6,5 mil milhões de euros, entre 2014 e 2016, quando o governo de Angela Merkel tinha estimado 5 mil milhões de euros.

O programa de reforma aos 63 anos na Alemanha gera custos mais elevados do que se previa inicialmente, de acordo com os cálculos do Ifo Institute for Economic Research, divulgados esta terça-feira. O instituto de investigação de Munique concluiu que o plano resultou em gastos adicionais com seguros, na ordem dos 6,5 mil milhões de euros, entre 2014 e 2016, quando o governo de Angela Merkel tinha estimado os custos de 5 mil milhões de euros.

“Se se juntarem os impostos e contribuições sociais perdidas, os custos totais nesse período chegam aos 12,5 mil milhões de euros. Espera-se que os custos aumentem ainda mais nos próximos anos, quando maiores grupos de nascimentos conseguirem tirar proveito da pensão antecipada sem dedução”, afirmaram os investigadores Carla Krolage e Mathias Dolls.

No relatório “The effects of early retirement incentives on retirement decisions”, os autores mostram que, na Alemanha, o debate em torno dos custos fiscais da idade da reforma têm sido controversos, com as estimativas a variar substancialmente. Os especialistas do Ifo aperceberam-se também de que as pessoas que podem reivindicar a pensão aos 63 [caso dos trabalhadores com mais de 45 anos de descontos] aposentam-se em média 5,4 meses mais cedo do que as pessoas comparáveis ​​que só se podem aposentar mais cedo com deduções.

“A reforma os 63 [uma medida que a chanceler aceitou em 2014] enfraquece a sustentabilidade do seguro de pensões estatutário. É uma medida redistributiva, associada a altos custos, dos contribuintes aos beneficiários de pensões mais baixas para pensionistas com rendimentos comparativamente altos”, defendem Carla Krolage e Mathias Dolls.

Em Portugal a idade da reforma é 66 anos e cinco meses de idade. Em 2019, aumentou um mês, mas, no próximo ano, manter-se-á nestes números, depois da confirmação recente do Governo através de uma portaria publicada em Diário da República. Segundo o Executivo, essa é a idade “normal de acesso à pensão” em 2020 por causa da esperança média de vida aos 65 anos em 2018, calculada pelo Instituto Nacional de Estatística.

No entanto, as pensões antecipadas iniciadas em 2019 irão sofrer um corte de 14,67% com a atualização do fator de sustentabilidade. “Considerando o indicador da esperança média de vida aos 65 anos, verificado em 2000 e em 2018, o fator de sustentabilidade aplicável às pensões de velhice iniciadas em 2019 é de 0,8533”, pode ler-se no diploma em questão.

Estes são os melhores países para desfrutar da sua reforma (e Portugal está na lista)

Reforma preocupa quase metade das pessoas nascidas entre 1960 e 1980

Ler mais
Relacionadas

Idade da reforma mantém-se nos 66 anos e cinco meses em 2020

Governo confirma ainda que as pensões antecipadas iniciadas em 2019 irão sofrer um corte de 14,67% com a atualização do fator de sustentabilidade.

Atenção, clientes CGD. Há atrasos no pagamento das pensões

Problemas técnicos “alheios” ao banco atrasam pagamento das reformas mas situação estará resolvida até ao final do dia de hoje, apurou o Jornal Económico.

Funcionários públicos a partir dos 55 anos já podem pedir pré-reforma

Medida aplica-se à modalidade de suspensão de trabalho na pré-reforma na Função Pública. Valor do salário continua a ser acordado entre o empregador público e o trabalhador.

É funcionário público? Já pode calcular qual será a sua reforma

O cálculo do simulador baseia-se no regime de aposentação não antecipada (66 anos e cinco meses) e antecipada (normal – 30 anos de serviço aos 55 anos de idade – ou por carreira muito longa – 60 anos de idade e 46 anos de serviço.
Recomendadas

Prepare a carteira. Vem aí (mais) um aumento nos combustíveis

A partir de segunda-feira, os combustíveis ficam novamente mais caros. Aumento é maior na gasolina, tanto nas cadeias de marca branca, como nas principais gasolineiras.

Caixa Geral está a vender Mercedes para atingir metas da recapitalização

Campanha de crédito “imbatível” está a chegar por email a clientes. Banco justifica com metas “extremamente exigentes”. E diz que não está a promover o endividamento, pois clientes acederiam na mesma a outras opções de financiamento do mercado.

Insolvência: o que é? como funciona? e quais são as obrigações do devedor?

Muitos são os consumidores que recorrem ao processo de insolvência como a última oportunidade de reequilíbrio da sua vida financeira, nomeadamente quando o valor das dívidas ultrapassa largamente o património/rendimentos que possuem não sendo possível cumprir com o seu pagamento
Comentários