Reformados do BCP exigem aumentos das pensões

A moção com esta exigência foi aprovada em reunião em 18 de julho, referindo essa moção que estes reformados que, ao contrário dos outros pensionistas bancários, não vêem as pensões atualizadas desde 2010.

Os reformados do BCP sócios do Sindicato dos Bancários do Sul e Ilhas (SBSI) exigem aumentos das pensões, que dizem estar estagnadas desde 2010, referem num comunicado hoje divulgado.

A moção com esta exigência foi aprovada em reunião em 18 de julho, referindo essa moção que estes reformados que, ao contrário dos outros pensionistas bancários, não vêem as pensões atualizadas desde 2010.

Os reformados querem “a revisão da tabela salarial do BCP e a atualização das pensões indexadas aos salários do ativo em valores semelhantes aos do resto da banca” e rejeitam que haja “qualquer tentativa de negociar uma pretensa compensação ou qualquer outro expediente”, exigindo a atualização das reformas.

Estes reformados do BCP afirmam que essa atualização é uma obrigação decorrente da contratação coletiva e ainda do acordo tripartido adotado na legislação que integrou os bancários na Segurança Social, o qual – dizem – “consagra expressamente que o valor das pensões está indexado aos aumentos salariais verificados anualmente no sector” e que fica “a cargo dos bancos a responsabilidade pelo pagamento dos aumentos das pensões”.

Lembram ainda que o ano passado o BCP pagou importantes complementos de reforma aos administradores, tendo a Comissão Executiva recebido 10,268 milhões de euros brutos em 2018, contra 5,461 milhões no ano anterior.

“O SBSI não pode permitir que continue a ser protelada a atualização das reformas de uma parte dos seus associados, cuja maioria são reformados”, referem.

Ler mais
Recomendadas

Lucros de seis bancos em Angola afundam 28% no primeiro semestre

A crise que se instalou neste país africano obrigou as instituições bancárias a procurem alternativas de negócios que os permitisse maximizar os seus resultados

Valor gerido por fundos de investimento imobiliário cai 26 milhões de euros em julho

A Interfundos (13,1%), a Norfin (10,4%) e a Square AM (10,3%) detinham as quotas de mercado mais elevadas em julho.

Bundesbank alerta que economia alemã pode estar a entrar em recessão

O Bundesbank, banco central alemão, alertou esta segunda-feira que a economia alemã, a maior da Europa, pode estar a recuar durante os meses de verão, depois da contração já registada no segundo trimestre, aumentando a possibilidade de entrar em recessão.
Comentários