PremiumRegras orçamentais: “Insistimos que seja um verdadeiro debate público”, diz eurodeputada

Relatora do Parlamento Europeu sobre a revisão das regras de governação, Margarida Marques, não quer que debate relançado pela Comissão se feche nas instituições europeias, a quem pede “coerência” face às políticas promovidas.

A eurodeputada socialista Margarida Marques, relatora do Parlamento Europeu sobre a revisão das regras de governação, saúda o “sinal político da Comissão Europeia”, que esta semana reabriu o debate público sobre as regras orçamentais. Mas quer garantir que o debate envolve verdadeiramente diversos atores e não se limita às instituições europeias, enquanto insiste que “não podemos tratar tudo por igual” no que toca às metas para os Estados.

Em declarações ao Jornal Económico, em Estrasburgo, no dia em que a Comissão Europeia relançou a análise da governação económica, Margarida Marques salientou que “insistimos na necessidade que isto seja um verdadeiro debate público, ou seja que não seja um debate que se limita às instituições europeias”. Na prática, Margarida Marques quer garantir que o debate salte verdadeiramente fora da Comissão ou do Conselho e que associe governos e parlamentos nacionais, bem como bancos centrais, instituições independentes, os parceiros sociais, think-tanks, assim como universidades.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Alguns hotéis da Serra da Estrela com lotação esgotada para a passagem de ano

Um dos primeiros hotéis a esgotar foi o H2otel, em Unhais da Serra, Covilhã, que tem 90 quartos e cujo programa especial de fim de ano abrange três noites, com um preço médio de 980 euros.

Covid-19: Irlanda encerra discotecas e anuncia novas restrições para fazer face à variante Ómicrom

O Governo irlandês anunciou esta sexta-feira novas restrições para conter a disseminação da nova variante Ómicron da covid-19, que incluem o encerramento de discotecas ou o distanciamento social em alguns locais.

Portugal pode esperar “política de continuidade” do novo ministro das Finanças da Alemanha, diz analista germânico

O politólogo Benjamin Höhne acredita que as políticas seguidas pelo futuro ministro das Finanças alemão, o liberal Christian Lindner (na foto), favorecerão a “continuidade”, mais do que mudança, em relação aos países do sul da Europa como Portugal.
Comentários