PremiumRegulação obriga setor financeiro a ser mais sustentável

Exemplos disso são a revisão da diretiva europeia sobre informação não financeira ou as normas relativas à divulgação de informação prudencial sobre riscos ESG por instituição de crédito de dimensão significativa que a EBA está a preparar.

As instituições financeiras têm mais deveres jurídicos no âmbito da sustentabilidade. Os fatores ambientais, sociais e de governação (ESG) desenharam um novo paradigma regulatório e, segundo Paulo Câmara, managing partner da Sérvulo & Associados, este é “o momento crítico” para avaliar as intervenções legislativas europeias, pois as empresas que melhor e mais rapidamente as compreenderem e incorporarem nos seus processos e rotina de trabalho mais vantagem competitiva têm.

Num webinar organizado pela sociedade de advogados, com o Jornal Económico (JE) como media partner, Paulo Câmara enumerou os principais problemas, as respostas regulatórias e os consequentes deveres jurídicos das organizações, detalhando os projetos legislativos europeus em curso e as datas em que entram é vigor. É o caso das normas de implementação (ITS) relativas à divulgação de informação prudencial sobre riscos ESG por instituição de crédito de dimensão significativa, que a Autoridade Bancária Europeia está a preparar, ou mesmo a atualização do Plano da Comissão Europeia sobre Financiamento do Crescimento Sustentável.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumNuno Vieira: “Smart contracts trazem inúmeras oportunidades”

Conferência promovida pela Antas da Cunha ECIJA e Jornal Económico, no dia 9, vai incluir a primeira demonstração pública em Portugal da execução de uma hipoteca com esta tecnologia, sem necessidade de recorrer a registos nas conservatórias.

PremiumAdministradores da Cuatrecasas receberam 11,5 milhões em 2019

O relatório corporativo da sociedade ibérica demonstra uma receita total de 316,4 milhões de euros no ano passado – um valor recorde.

PremiumTransição energética é uma “oportunidade” para Portugal

Bruno Martinho, da consultora Accenture, aborda os principais desafios e oportunidades da transição energética em Portugal. “Temos os ingredientes todos para capturar esta mais valia para Portugal”.
Comentários