Regulador da UE decide hoje sobre uso da vacina da Pfizer em crianças até 11 anos (com áudio)

A Agência Europeia de Medicamentos (EMA) vai emitir esta quinta-feira a sua decisão sobre administração da vacina anticovid-19 da BioNTech/Pfizer a crianças dos 5 aos 11 anos, podendo ser a primeira na União Europeia (UE) para esta faixa etária.

Fonte oficial da EMA informou à agência Lusa que uma reunião extraordinária do Comité dos Medicamentos para Uso Humano terá lugar hoje para “discutir a avaliação deste pedido de extensão da utilização da Comirnaty em crianças”.

“Se o comité chegar a um parecer, comunicaremos sobre o assunto, muito provavelmente ao final da tarde”, precisou a mesma fonte oficial do regulador europeu à Lusa.

O Comité dos Medicamentos para Uso Humano é responsável pela preparação dos pareceres da EMA sobre todas as questões relativas a fármacos e está a estudar, desde meados de outubro, a utilização da vacina anticovid-19 Comirnaty (nome comercial da vacina do consórcio farmacêutico BioNTech/Pfizer) em crianças entre os 5 e os 11 anos.

A ser aprovado este uso, será a primeira vacina na UE para crianças desta faixa etária, numa altura em que se verificam aumentos de casos nestas idades e quando os Estados Unidos já a administram.

Atualmente, a vacina Comirnaty está autorizada a partir dos 12 anos, após ter sido pela primeira vez aprovada em dezembro de 2020 para adultos na UE.

O Comité dos Medicamentos para Uso Humano tem estado a rever os dados sobre a vacina, incluindo os resultados de um estudo clínico envolvendo crianças dos 5 aos 11 anos de idade, a fim de decidir se recomenda ou não o alargamento da sua utilização.

O parecer será então enviado à Comissão Europeia, que emitirá uma decisão final.

Esta vacina assenta na tecnologia do RNA mensageiro, com instruções para a produção de uma proteína que está naturalmente presente no SARS-CoV-2, o vírus que causa a covid-19, preparando assim o corpo para se desenvolver da infeção.

Na terça-feira, a Sociedade Portuguesa de Pediatria considerou que as vacinas contra a covid-19 são seguras no grupo etário dos 5 aos 11 anos, mas defendeu que a decisão de vacinar deve ter em conta outros dados, como a prevalência da infeção nas crianças.

Recomendadas

Covid-19. África do Sul ultrapassa três milhões de infeções

A África do Sul, que detetou a nova variante Ómicron e está a entrar na quarta vaga da pandemia, com um aumento exponencial de novas infeções, ultrapassou esta sexta-feira os três milhões de infeções pelo coronavírus SARS-CoV-2, segundo números oficiais.

Portugal regista mais 2.535 casos positivos e 21 mortes por Covid-19

Nas últimas 24 horas, foram retiradas 14 pessoas em enfermaria, para um total de 902. Nos cuidados intensivos foi colocado mais um doente (129 no total).

OMS diz que medidas aplicadas para travar variante Delta devem funcionar com Ómicron

O diretor regional da OMS para o Pacífico Ocidental alertou ainda que “enquanto a transmissão continuar, o vírus pode continuar a sofrer mutações”.
Comentários