Reino Unido: consumo interno prestes a chegar aos níveis pré-pandemia

Os britânicos estão a transferir uma parte dos rendimentos que não gastaram com as viagens turísticas para o consumo. Moveis e material eletrónico estão no topo da recuperação. Restaurantes, pubs e bares também recuperam.

Peter Nicholls/REUTERS

A recessão mais profunda do Reino Unido em cem anos deve ser confirmada esta quarta-feira pelos números oficiais do gabinete de estatísticas britânico, mas dados do British Retail Consortium (BRC) divulgados esta terça-feira indicam que está em curso, inesperadamente, a recuperação dos níveis internos do consumo; as vendas totais no comércio aumentaram 3,2% em julho em relação ao mesmo mês do ano passado.

As vendas de alimentos, móveis e artigos para a casa dispararam à medida que as pessoas abandonaram os seus planos normais de férias de verão e investiram noutras áreas. Num sinal de que os consumidores estão de regresso às lojas e a aumentar os gastos online, números avançados pela Barclaycard – o maior operador de cartão de crédito da Grã-Bretanha –revelaram exatamente a mesma tendência.

Segundo os analistas, à existência de capacidade de financiamento particular induzida pelas poupanças na área das viagens de turismo, acresce o bom tempo que se faz sentir no norte da Europa e uma disposição ‘anti-pandémica’ para o consumo.

O desconfinamento do consumo decidido em julho alimentou um aumento nos gastos com alimentos e bebidas em particular, enquanto os gastos com desporto e nas atividades ao ar livre aumentaram acentuadamente.

Cabeleireiros, manicures e salões de beleza que começaram a reabrir as suas portas após quatro meses de encerramento estão entre o grupo que mais cresceu em julho, mas são as lojas de móveis e de artigos eletrónicos que estão à frente da recuperação.

Os números revelam que também houve sinais positivos para restaurantes e pubs e bares, com quedas gerais homólogas de 64,2% e 43%, respectivamente, em julho, uma melhoria assinalável quando comparada com as quedas de 86% e 93% em junho.

De qualquer modo, os analistas consideram que setembro será o verdadeiro teste para os gastos do consumidor e para a força da recuperação económica da Grã-Bretanha.

Mas a realidade está ali à porta: os dados oficiais a serem revelados esta quarta-feira devem indicar uma queda de 21% no PIB no segundo trimestre do ano, depois de uma queda de apenas 2,2% no primeiro trimestre. Os os números confirmarão a passagem da economia do Reino Unido para a recessão – definida como dois trimestres sucessivos de crescimento negativo.

Ler mais
Recomendadas

Líbia anuncia levantamento das restrições à produção de petróleo

Depois de reduzir a produção de crude em 90% desde janeiro, fruto de um conflito entre os dois governos que reclamam autoridade no país, as duas fações anunciaram um acordo para retomar os níveis normais de produção, que contrasta com a posição da maioria dos exportadores de petróleo.

Moderna quer produzir 20 milhões de doses da vacina contra o Covid-19 até ao final de 2020

Atualmente, não há vacinas contra o Covid-19 aprovadas pelos reguladores dos EUA, embora algumas já se encontrem na fase final de testes para provar que são seguras e eficazes.

Israel: acordos diplomáticos não favorecem Netanyahu

Apesar do aparato, o acordo entre Israel, Emiratos Árabes Unidos e Bahrein não está a alavancar o primeiro-ministro, que continua a arriscar eleições antecipadas. O ‘colega’ de coligação, Benjamin Guntz, está ainda pior.
Comentários